MP exige posicionamento da Prefeitura de Santa Inês sobre poluição sonora do estabelecimento “Casa da Mãe Joana”

O excesso de barulho gerado pelo estabelecimento “Casa da Mãe Joana”, em Santa Inês, tem tirado o sossego dos moradores adjacentes. A casa de show tem promovido eventos até altas horas da noite com o volume do som acima do permitido por lei, perturbando a tranquilidade das pessoas.

De acordo com moradores, a “Casa da Mãe Joana” tem afetado negativamente a vida e o descanso dos idosos e crianças. Ainda segundo segundo relatos, os eventos ultrapassam o horário permitido e, geralmente, ocorrem confusões depois do encerramento das programações.

Para solucionar o caso, o Ministério Público do Estado Maranhão estabeleceu que o proprietário da casa de eventos deve comparecer à Promotoria de Justiça no dia 22 de janeiro de 2020 para prestar esclarecimentos a respeito das violações.

A instituição também exigiu um posicionamento da Prefeitura e que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Santa Inês informe se o estabelecimento possui alvará de funcionamento, realize vistoria no local com utilização de decibelímetro (medidor de nível de pressão sonora) e, ao final, encaminhe relatório constando todas as providências que serão adotadas. O prazo para a execução das medidas é de 10 dias.

Codó: Vereador denuncia prefeito por fraudes em recursos oriundos de diárias

O vereador Domingos Soares dos Reis denunciou à Promotoria de Justiça o prefeito de Codó, Francisco Nagib. De acordo com o vereador, Nagib tem utilizado recursos referentes a diárias de forma irregular, causando danos aos cofres públicos.

Em Codó, Nagib tem sido alvo constante de reclamações da população, definido como um gestor de péssima qualidade, além de colecionar várias denúncias de atos de corrupção envolvendo favorecimento de seus amigos íntimos e até mesmo os da primeira dama.

Só para se ter uma noção, entre 2017 a 2019, a J.F. de Oliveira e CIA Ltda, mais conhecida como Mundo Fit, venceu sucessivas licitações que somaram R$ 10,7 milhões. A empresa, que fica localizada em Codó, é de propriedade da Nágila Mayane Fontes de Oliveira Queiroga, amiga íntima da primeira-dama codoense.

A denúncia do vereador Domingos tem fundamentos legítimos e até que ninguém pare o prefeito, ele vai continuar fazendo a farra com o dinheiro público. O Ministério Público precisa tomar uma providencia urgentemente.

Moradores de Timon denunciam prefeito por falta de pavimentação em rua

Cansados de esperar por um posicionamento do Prefeito Luciano Leitoa, os moradores da rua Particular na Vila João Reis, em Timon, não aguentaram o descaso relacionado a falta de pavimentação na comunidade que já dura vários anos e denunciaram o caso ao Ministério Público.

De acordo com os moradores, a situação ainda piora com a chegada do período chuvoso quando carros e motocicletas ficam atolados no lamaçal e para que quem precisa passar de bicicleta ou andando tem que fazer um verdadeiro malabarismo para conseguir atravessar a rua.

Os moradores reclamam que por várias vezes já denunciaram o caso na prefeitura, mas o prefeito não parece se importar com os problemas enfrentados por eles.

Ainda de acordo com os moradores, o prefeito só pensa nas eleições de 2020 e que Luciano Leitoa tem deixado a cidade as traças, preocupado somente com seus interesses pessoais.

O Ministério Púbico decidiu por instaurar um inquérito, considerando que é dever do poder público manter o ambiente ecologicamente equilibrado, direito essencial à sadia qualidade de vida.

Até o momento, 4 pessoas morreram após ingerirem cervejas da marca Backer e 14 estão internados em estado grave

Subiu para quatro o número de pessoas que morreram sob suspeita de intoxicação por dietilenoglicol, uma substância identificada em cervejas da marca Backer.

Ainda de acordo Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, 14 pacientes estão internados em estado grave. A Secretaria também informou que outras pessoas deram entrada em hospitais no Estado, após se sentirem mal ao ingerirem a cerveja. A fabricante afirma que não emprega esse componente em sua linha de produção, mas um similar (monoetilenoglicol) no processo de resfriamento dos tanques.

Professores afirmam que uma substância pode se transformar em outra por reações químicas. A policia Civil continua investigando o caso.

Nas mãos da péssima gestão de Jorge Garcia, Palmeirândia completa 58 anos de emancipação

O município de Palmeirândia completa hoje 58 anos de emancipação. Mas, infelizmente, não há motivos para que a população comemore da forma que realmente deveria ser.

Só para se ter uma ideia, o prefeito Jorge Garcia não tem noção nenhuma de quantos anos a cidade está fazendo e divulgou através da prefeitura que seriam 59 anos.

De acordo com moradores do município, Jorge Garcia abandonou a cidade por completo. As ruas, avenidas e estradas estão intrafegáveis por conta da quantidade de buracos, as escolas se encontram em situação precárias e a saúde está lançada nas mãos de Deus.

Ainda segundo eles, na maioria das vezes quando existe a necessidade de um tratamento médico, os pacientes precisam se deslocar até uma cidade vizinha ou à capital. A situação em Palmeirândia é tão crítica que também é negado ao jovem do município até mesmo o direito de lazer.

Recentemente, através de uma licitação, o prefeito recebeu a quantia de meio milhões de reais, metade do valor da licitação que ficou estabelecido para reforma do Estádio Municipal de Palmeirândia. As condições atuais do Estádio é vergonhosa, primeiro que ao invés de gramas, há capins e areias no solo. O vestiário está completamente destruído e as arquibancadas simplesmente não existem.

Até o momento, nem uma pedra foi levantada para iniciar as obras. O grupo do prefeito Jorge Garcia está sobre o monopólio político há mais de 24 anos e a cidade continua sem conseguir se desenvolver. O que chega a ser uma verdadeira falta de respeito com a população trabalhadora e honesta de Palmeirândia.

Em respeito à população, o Blog do Werbert Saraiva parabeniza a cidade por toda a sua história que, infelizmente, hoje é manchada por uma péssima administração.

Após se recusar a comparecer à SEMMA, dono de bar em Timon vai ser investigado por poluição sonora

Em Timon, após uma série de denúncias em razão de uma barulheira constante realizada no Bar da Lurdinha, os moradores da rua João Batista, no bairro Formosa, fizeram um abaixo assinado e denunciaram a poluição sonora à Secretaria Municipal de Meio Ambiente – SEMMA.

Logo após receber os relatos, a SEMMA solicitou que o proprietário do estabelecimento fosse até a secretaria para prestar esclarecimentos, mas até o momento ele tem se negado a comparecer ao local.

A SEMMA então decidiu por enviar um ofício ao Ministério Público para que sejam tomadas as medidas judiciais necessárias e que sejam investigados e resolvidos os danos ambientais e sociais por conta da poluição sonora provenientes do “Bar da Lurdinha”.

O MP público designou um secretário para proceder nas investigações e notificar o responsável com risco de punições. A instituição entende que é dever do órgão zelar pelo bem estar e saúde pública.

Prefeita de Santa Inês tem dez dias para solucionar problema de iluminação na avenida Castelo Branco

Moradores bairro do Bairro Vila Adelaide Cabral, em Santa Inês, estão passando literalmente por horas de escuridão. Isso porque para atravessar na Avenida Castelo Branco, precisam redobrar a atenção por conta da falta de iluminação pública.

Além dos cuidados necessário para não sofrer ou causar acidentes, o condutor de veículo que precisa passar no local, ainda tem que contar com a sorte para que não seja assaltado. Segundo os moradores, no período noturno os riscos de acidentes aumentam, pois o número de pedestres também é grande. Os buracos na estrada e a falta de iluminação dificultam a travessia. Além disso, eles temem que possam ser assaltados diante da escuridão.

O Ministério Público já tomou conhecimento da situação e vai realizar uma vistoria no local. A instituição também determinou que a prefeita Vianey Bringel solucione o problema no prazo de 10 dias. Caso a situação não seja resolvida, ela terá que responder ao órgão em caráter de urgência e juntar documentos que possam explicar a demora em resolver o problema.

Ex-vocalista do Cabaré do Brega, Carla Maués acusa Ximbinha de agressão

O guitarrista Ximbinha, ex-marido de Joelma, está sendo acusado de agressão por Carla Maués, ex-vocalista do Cabaré do Brega, projeto comandado pelo músico. Carla confirmou que as agressões ocorreram em um estúdio em Belém e disse por telefone ao G1 que está reunindo advogados para formalizar denúncia. Em nota, a assessoria de Ximbinha negou as acusações e disse que o projeto Cabaré do Brega tomará todas as medidas judiciais cabíveis.

O caso veio à tona pelas redes sociais do ex-deputado federal Wladimir Costa, que se diz amigo próximo de Carla. Segundo a publicação, a cantora teria saído do projeto devido às supostas agressões.

Nesta quarta, o projeto de Ximbinha anunciou uma nova vocalista, a amapaense Jessica Rodrigues. A assessoria do projeto informou, também, que deve entrar com processo contra o ex-deputado por calúnia, difamação, injúria, constrangimento, dano moral, prejuízo comercial e ameaça.

Joelma e Chimbinha encerraram a Banda Calypso em 2015, após a separação marcada por denúncias de agressão. No mesmo ano, o guitarrista anunciou a cantora Thábata Mendes como nova vocalista da banda. Depois disso, Ximbinha rompeu com Thábata por “divergências concentuais”. A banda então passou a se chamar XCalypso e Chimbinha passou a ser chamado de Ximbinha. Em seguida, Carla Maués passa a ser companheira de palco do guitarrista.

Em outubro de 2018, Ximbinha foi acusado de injúria por uma mulher, que preferiu não se identificar, de tê-la destratado e ofendido pessoalmente com palavras de baixo calão, durante festa na casa do artista.

Fonte: G1

MP vai investigar relatos de atos de violências contra pacientes em Hospitais de Imperatriz

Em todo o Maranhão é difícil alguém precisar de um atendimento em posto de saúde e não ser mal atendido. Infelizmente alguns funcionários esquecem que estão ali para prestar um serviço à população, que é quem de fato paga os seus salários.

Em Imperatriz não é diferente, e por conta do grande número de denúncias, o Ministério Público decidiu fiscalizar se os estabelecimentos de saúde do município estão cumprindo com suas obrigações. De acordo com informações, existem relatos de atos de violência de todos os tipos cometidos contra pacientes, tanto nos hospitais municipais, quanto nos estaduais.

As denúncias foram feitas durante o I seminário Sobre Notificações de Violências. Em função disso, o MP solicitou aos diretores do Hospital Municipal, Regional Materno Infantil e o Macrorregional, informações acerca das medidas já tomadas pelos estabelecimentos, no sentido de aprimoramento e combate a essas ações.

A instituição estabeleceu o prazo de 1 ano para que as medidas surtam efeitos e os problemas sejam resolvidos.