Veja o desabafo de um funcionário público contra a gestão do Governo Flávio Dino

Nunca pensei que veria um descaso tão grande com parte da população. Os funcionários públicos estaduais ignorados, humilhados à nada, tendo um único clamor, um único, abafado. Todavia, como exímio jogador de xadrez, deu uma migalha, para quando Brandão assumir, dar o verdadeiro reajuste.

Fala-se tanto em democracia, mas vive-se sob uma forte ditadura. Pais e mães de famílias sendo perseguidos, exonerados…

Não existe política do povo, pois a população não tem representante. A política que existe é a de seus interesses, que distribui migalhas. Todo ser humano busca o reconhecimento de algo em alguém. A saúde, por exemplo, não precisa de aplausos. Os profissionais precisam de melhorias salariais e condições para trabalhar de forma mais digna. Muitos tombaram contra o COVID e outras mazelas mais.

Os policiais que todos os dias combatem o lixo social. Comem bandeco azedo quando não tem dinheiro para comprar um “melhorado”. Bandeco que não passa nem na porta da cadeia para alimentar os marginais (que vivem à margem). Lá, o calcanhar de Aquiles do governo, eles têm do bom e do melhor. Será medo de ocorrer o mesmo que na gestão de Roseana (diga-se de passagem, muito melhor para o funcionário público que o atual)? Tanto dinheiro investido em mimos para presos que nada sobrou pra outros setores.

Parece que não precisa de votos. Que a máquina estando nas mãos, está com a campanha ganha. Que ratifica a fala do vereador de Santa Inês, quando o mesmo (vereador) disse que população só serve pra votar, depois pra mais nada.

Um governo que não liga pra nada à não ser o seu querer! Um governo que não te respeita e encontra alianças políticos que só esperavam alguém assim aparecer, para pôr suas garras de fora.

O Estado está com seus leões sem dentes e garras. Os funcionários calaram-se com isso. Deixaram abafar-se por medo da repressão e sanção que pode e com certeza sofrerá.

Acabou? Espero que não! Será que o pensamento é: quando cair na conta esse povo trouxa, acostumado a migalhas esquecerá?

A esperança é como flores que embelezam o mundo e aproveitando, faço uso de uma frase de Tchê Guevara, já que a maioria do governo o tem como ícone.
“Os poderosos podem matar uma ou duas flores, mas nunca matarão a primavera.”

Avante, sociedade! Não se valem, não se verguem, não aceitem calados. Unam-se! Façam assembleias e deliberem o certo! Uma ou duas flores poderão ser abafadas para impor o medo à outras, mas não deixem de exalar o perfume da Justiça!

E como diria Augusto Cury:

“Vocês podem calar a minha voz, mas não os meus pensamentos! Vocês podem acorrentar o meu corpo, mas não a minha mente! Não serei plateia desta sociedade doente, serei autor da minha história! Os fracos querem controlar o mundo; os fortes o próprio ser! Os fracos usam as armas, os fortes as ideias”.

Ouso acrescentar: Os opressores, a política!

FONTE: Anônimo

Deixe uma resposta