GAECO na cola de Hilton Gonçalo

Prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado- GAECO, conduz várias linhas de investigação contra o prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo.

Irregularidades em construção de casas populares 

O gestor é suspeito de práticas irregulares referente à construção de casas populares no ano de 2017 pela prefeitura.

Um vereador do município esteve na Promotoria de Justiça, prestou depoimento e mostrou documentos que comprovam a suposta prática do ato ilícito com emissão de várias notas fiscais relativas às despesas realizadas com materiais e serviços referentes à construção de cada casa individualmente, em valores abaixo do exigido para a realização de licitação, com indícios de fragmentação de despesas.

O MP decidiu instaurar Inquérito Civil Púbico para coletar informações, depoimentos, certidões, perícias e demais diligências para apurar a prática das supostas irregularidades ou desvio de recursos. As investigações terão o auxílio do GAECO.

 Favorecimento Pessoal

Dessa vez o prefeito de Santa Rita é suspeito de favorecimento pessoal. De acordo a denúncia o mesmo utiliza materiais como paralelepípedos fabricados na sua fazenda, assim como dos seus familiares, para a execução das obras de calçamento no município.

O MP também vai levar em conta declarações de alguns dos responsáveis pela execução das obras, sendo estes prestadores individuais de serviços, os quais afirmaram que eram sempre procurados pela Prefeitura através da Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura para executarem serviços de calçamento no município e que o Prefeito Municipal cedia sua fazenda, gratuitamente, para que estes próprios fabricassem os paralelepípedos.

A princípio será apurado suposta prática de irregularidades por dispensa indevida de licitação quando da execução de obras de calçamento, além de várias outras obras por parte da Prefeitura, como pintura, compra de materiais e outros, conforme contido em dois CDs ROM em que constam notas de empenho e notas fiscais relativas a tais serviços.

O MP pediu ao Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado – GAECO para atuar nas investigações por se tratar de fato complexo, necessitando-se de conhecimento mais apurado e especializado sobre o fato.

Hilton Gonçalo contratou posto do próprio irmão

A empresa de combustível C.G. de Sousa Eireli, contratada para fornecimento de combustível às Secretarias Municipais de Santa Rita é de propriedade de Celso Gonçalo de Sousa, irmão de Hilton Gonçalo, segundo informações extraídas do sistema JUCEMA.

Por se tratar de fato complexo, o secretário do MP pediu o apoio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado – GAECO, para atuar nas áreas de investigação criminal e de improbidade.

A Polícia Federal também investiga e apura denúncias envolvendo o gestor de Santa Rita.

Tiago Bardal é condenado a prisão e perda de cargo público

O ex-titular da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), Tiago Bardal, foi condenado pela 3ª Vara Criminal de São Luís à perda do cargo de Delegado de Polícia Civil do Estado do Maranhão.

A sentença também condena o ex-delegado à dois anos de reclusão e três meses de detenção, pelos crimes de apropriação indevida e prevaricação. A pena privativa de liberdade foi convertida, pela Justiça, em restritiva de direitos, obedecendo aos requisitos legais do artigo 44 do Código Penal.

Tiago Bardal respondia por acusação de fazer parte de organização criminosa contribuindo com obstrução das investigações contra o bando de contrabando de mercadorias e de assalto a banco.

Polícia do RJ diz que Adriano Nóbrega estava sem seguranças quando foi morto na Bahia

A subsecretaria de inteligência da Polícia Civil do Rio de Janeiro afirma que o miliciano Adriano Magalhães de Nóbrega não estava acompanhado de seguranças no sítio onde estava escondido na Bahia antes da operação que resultou na sua morte, no domingo (9).

A informação contradiz o secretário de Segurança da Bahia, Maurício Barbosa, que havia afirmado que homens que faziam a segurança de Adriano foram presos antes do confronto.

“Foram pegas pessoas que estavam dando cobertura, com armamento na mão, que indicaram que ele (Adriano) estava em um terreno próximo. A polícia fez o cerco, e ele tava com a pistola na mão e reagindo”, afirmou o secretário da polícia baiana.

Monitorado

Ainda segundo a polícia do Rio, os passos de Adriano foram monitorados durante nove meses. O miliciano passou pelo estado de Minas Gerais antes de ser encontrado na Bahia.

A polícia recebeu ainda denúncias de que o miliciano viajou para o Panamá, mas as informações não foram confirmadas.

Adriano, que era ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) do RJ, estava escondido em um sítio de um vereador do PSL na cidade de Esplanada. Com um mandado de prisão expedido em janeiro de 2019, ele estava foragido havia mais de um ano.

Imoralidade: prefeito de Presidente Vargas promoverá farra mesmo com meses de salários atrasados


O prefeito de Presidente Vargas, Wellignton Uchôa, preferiu contratar o show caríssimo de Mara Pavanelli, do que pagar os três meses atrasados dos funcionários comissionados e contratados.

O município de Presidente Vargas, sofre com o abandono, ingerência e com o esquema comandado pela primeira dama e o irmão do prefeito falecido Herialdo Pelucio.

O blog inicia uma série de notícias onde revelará que uma verdadeira quadrilha se instalou na estrutura administrativa do pobre município. Aguardem!

 

UGENTE! PF faz busca e apreensão em Zé Doca e Nova Olinda MA

Cerca de 70 policiais federais estão dando cumprimento a 19 mandados de busca e apreensão e a 1 mandado de prisão preventiva nos estados do Maranhão (municípios de Zé Doca, Nova Olinda do Maranhão e São Luís), Piauí (Teresina, Porto e Nossa Senhora dos Remédios), Pará (Redenção e São Félix do Xingu) e São Paulo (São João da Boa Vista). Também foram expedidas 2 medidas cautelares diversas da prisão contra servidores da CEF, bem como determinado o bloqueio de contas e sequestro de bens.

A investigação teve origem em uma tentativa de saque ocorrida no município de Capivari de Baixo/SC, tendo sido obtidas, através de cooperação com a Caixa Econômica Federal, informações sobre fraudes similares em diversas agências do banco.

No curso da investigação, foram obtidos fortes indícios de que a organização criminosa se aproximava de advogados através de aplicativo de mensagens, com a finalidade de que realizassem os levantamentos dos precatórios utilizando-se de documentos ideologicamente falsos, obtidos principalmente em cartórios do Maranhão e Piauí. Após os saques indevidos, os criminosos faziam sucessivas movimentações financeiras dos valores em contas de terceiros, para afastar a origem ilícita dos recursos e dificultar a identificação dos verdadeiros beneficiados com as fraudes.

Informações obtidas junto à CEF apontaram que o grupo realizou, ou tentou realizar, levantamentos fraudulentos de precatórios nos Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Piauí, Rio Grande do Norte e Amazonas. Até o momento, foram detectados prejuízos de quase R$ 2 milhões aos cofres públicos.

Os investigados poderão ser indiciados pela prática dos crimes de organização criminosa, estelionato majorado, violação de sigilo funcional e lavagem de dinheiro.

A Polícia Federal, com o apoio da Caixa Econômica Federal, deflagrou nesta manhã (12/2) a Operação Eleazar, cujo objetivo é desarticular organização criminosa que realizava saques fraudulentos de precatórios em diversas regiões do país.

Bolsonaro está furioso com repercussão da morte de miliciano

Jair Bolsonaro está furioso com as reportagens e capas de jornais que mostram conexões entre o miliciano Adriano da Nóbrega, morto neste domingo 9/II, e o senador Flávio Bolsonaro.

A trajetória do miliciano e a de Flávio se cruzaram diversas vezes ao longo do anos.

Quando deputado estadual no Rio de Janeiro, Flávio prestou homenagens a Adriano e empregou em seu gabinete a mãe e a mulher dele. Essas ligações vieram a público após explodir o escândalo da “rachadinha de salários” no gabinete de Flávio.

Por tudo isso, Jair Bolsonaro se negou a conversar com jornalistas na manhã desta segunda, ao deixar o Palácio da Alvorada. “Pessoal, tem uma série de problemas no Brasil. Gostaria de compartilhar com vocês. Mas, como será deturpado, isso acabará dificultando a solução. Então lamento, mas não vou conversar nada com vocês”, disse ele.

Maracaçumé: o curioso caso da ambulância que transporta alimentos em vez de pacientes

Após denúncia do vereador Nego do Chaga, uma ambulância do município de Maracaçumé foi retida em São Luís enquanto transportava produtos alimentícios.

De acordo com informações, o vereador tinha feito um vídeo antes da viagem da ambulância até a capital, mostrando sua indignação, já que o veiculo transportava alimentos e não pacientes.

O veículo foi retido pela polícia logo após chegar na capital. O prefeito do município deve responder administrativamente pela imoralidade.

Palmeirândia: Cozinha de escola municipal tem teto forrado com palhas

Moradores do povoado Bacabal, no município de Palmeirândia, denunciam a falta de assistência da prefeitura em relação a Unidade Escolar de Educação Básica Urbano Pinheiro.

De acordo com informações, os alunos da escola estão expostos em um ambiente totalmente sem infraestrutura e aparelhamento necessário para amplo desenvolvimento escolar.

Cadeiras quebradas, banheiros inutilizáveis, cozinha com a teto de palha, são exemplos de alguns problemas enfrentados por eles.

O prefeito Jorge Garcia já foi informado diversas vezes sobre as condição precárias da escola, mas até o momento não deu nenhuma resposta à comunidade e nem compareceu para vistoria no local para realizar as medidas necessárias.

São Luís Gonzaga: filha e genro do prefeito usam e abusam de veículo oficial do município

Imagens registradas por uma moradora do município de São Luís Gonzaga do Maranhão, flagraram o momento em que a filha e o genro do prefeito Dr. Júnior saíam no domingo (02), em um veículo oficial da prefeitura para uso de fins pessoais.

De acordo com a denúncia, o veículo se desloca constantemente para levá-los aos bares e restaurantes do município.

Indignada, a moradora relatou que vai entrar com uma representação ao Ministério Público contra a gestão do prefeito por uso indevido do veículo oficial para uso particulares.

O Ministério Público de São Luís Gonzaga do Maranhão precisa urgentemente se posicionar a respeito do ato que carateriza improbidade administrativa e dá uma resposta eficiente aos moradores da cidade.

Acompanhe trechos da decisão que autoriza a quebra do sigilo bancário do juiz, Dr. Sidarta Gautama

Após investigação, a Corregedoria do Tribunal de Justiça determinou a quebra do sigilo bancário do Juiz de Direito da 1° Vara Cível da comarca de Caxias, Dr. Sidarta Gautama Farias Maranhão.

O juiz é acusado de práticas ilegais como agiotagem, ameaças e lavagem de dinheiro.

Além disso, também é investigado por atuar em uma empresa da área de construção civil e de acordo com a lei, é vedado o exercício de atividade empresarial por magistrado.

A suposta empresa que seria propriedade de Sidarta seria a El-Berite Construções Incorporações & Empreendimento Ltda, atuante no período de 1998 a 2018. O Tribunal de Justiça/MA determinou que seja encaminhado pela Receita Federal informações sobre declaração do Imposto de Renda de pessoa física ou jurídica do investigado na época de atuação da empresa, no prazo de 10 dias.