Em Igarapé do Meio Deputado Josimar de Maranhãozinho participa do encerramento da Vila Junina.

Uma noite que ficará marcada em  Igarapé do Meio, a Vila Junina ficou lotada para o encerramento do maior arraial da história. Participaram do evento o deputado Josimar de Maranhãozinho (PR) o prefeito Raimundo Almeida, a primeira dama Solange e autoridades locais e políticas. 

A Vila Junina teve início no dia 24, foram 8 dias de muita beleza, segurança e conforto. No encerramento teve disputas das quadrilhas Raiz da mocidade de Centro do Guilherme, Explosão jovem, explosão junina de Maranhãozinho, Chapéu junina de Santa ines e Grande campeã Trem Junina. 

O deputado Josimar um dos grandes apoiadores da Cultura local falou da importância em fazer um grande arraial.
“Hoje vemos uma multidão prestigiando a Vila Junina, fico feliz em saber o que prefeito Almeida e sua equipe se preocuparam com cada detalhe e que a estrutura que foi montada alegrou os visitantes, assim como as belas apresentações.” 

O prefeito Raimundo Almeida ressaltou a importância do deputado Josimar de Maranhãozinho como um dos grandes incentivadores da Cultura. 

“O deputado Josimar tem estado ao meu lado me ajudando e contribuindo com o nosso município, um evento grandioso como este não teria acontecido se não tivéssemos o apoio dele, em nome do povo de Igarapé do Meio agradeço.” 

Além das apresentações, o encerramento do arraial contou com a banda Forró do Cangaço, que não deixou ninguém parado, tocando ritmos da atualidade.

No Maranhão Adepol se ‘tranca’ no xadrez com delegado acusado de corrupção e impede sua apresentação à imprensa

Uma atitude inusitada do presidente da Adepol-MA (Associação dos Delegados de Polícia do Maranhão), Marcone Lima, impediu que a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP-MA) apresentasse, ontem, à imprensa, o delegado Thiago Fillipini, titular do 1º Distrito de Açailândia, preso essa semana, naquele município, acusado de envolvimento em crime de corrupção. O secretário Jefferson Portela considerou a atitude como absurda.

A entrevista coletiva com a imprensa havia sido convocada para as 15h, sendo, com o impasse, adiada para as 17h. Seriam apresentados, além do delegado, as demais pessoas presas na operação de combate à corrupção deflagrada no 1º Distrito Policial de Açailândia.
Surpreendentemente, o presidente da Adepol e alguns associados dirigiram-se à Delegacia da Cidade Operária (Decop), onde ficam recolhidos os presos que integram os quadros da Polícia Civil, e se trancaram no xadrez com delegado Thiago, impedindo que ele fosse levado para a SSP para ser apresentado.

Sobre o episódio, a Adepol divulgou a seguinte nota:

“CRFB, Art 5. “X – são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;”
Tendo em vista entrevistas que circularam hoje (30.06.2017), de que a SSP-MA e a DGPCMA estariam tomando providências para promover uma ilegal e abusiva ‘apresentação à imprensa’, verdadeiro ato de linchamento público de um associado da Adepol-MA, a diretoria e associados, comprometidos com a preservação da dignidade da carreira, com a defesa da presunção de inocência e a preservação constitucional da imagem, estão nesse momento concentrados na Decop com firme e justo propósito de garantir que o associado preso não seja submetido a atos diversos daqueles previstos na legislação processual, sendo estes atos previamente comunicados através de intimação formal, com garantia de defesa técnica através de advogado”.
O Informante

Lava Jato: pedido de inquérito contra Flávio Dino está na PGR desde abril

A Procuradoria-Geral da República (PGR) segura desde o início do mês abril uma determinação do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), para que um pedido de abertura de inquérito contra o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), seja encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça.
As investigações, se autorizadas, devem apurar denúncia de que o comunista teria recebido R$ 200 mil de caixa dois na campanha de 2010, em troca de sua atuação na Câmara dos Deputados, a favor de projeto de interesse da Odebrecht. O caso foi delatado por José de Carvalho Filho, ex-funcionário da empreiteira.
O despacho de Fachin determinando a remessa do pedido de investigação ao STJ é do dia 4 de abril. Na ocasião, ele deferiu um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que casos de delatados que não têm foro no STF fossem enviados ao foro competente.
Depois disso, o processo voltou à PGR para ser instruído antes da remessa e, desde então, está no gabinete do subprocurador-geral José Bonifácio de Andrada, atualmente no cargo de vice-procurador-geral da República.
Segundo a assessoria de imprensa da PGR, a demora se dá porque, ao pedir a remessa ao STJ dos caos de delatados que não têm foro no STF, Janot não instruiu logo os inquéritos.
“Quando o Janot fez a análise das delações da Odebrecht, aqueles fatos que efetivamente eram tema do Supremo ele já instruiu o pedido de abertura de inquérito. Nas outras petições, ele só narra o fato e pede pra ser analisado pelo STJ, ele não instrui o inquérito”, destacou a assessoria, em contato por telefone com a reportagem de O Estado, acrescentando que não há prazo para que procurador conclua essa instrução.
“Ele está instruindo o inquérito para poder ser enviado ao STJ. E não tem prazo para isso”, completou.
Delação – O governador Flávio Dino foi incluído na Lava Jato a partir da delação de José de Carvalho Filho, sob a acusação de ter recebido R$ 200 mil em propina para uso na eleição de 2010, quando ele disputou o Governo do Estado. Outros R$ 200 mil foram sido doados de forma oficial, ainda de acordo com o delator, para a eleição 2014.
A negociação que resultou no pagamento de propina, disse o ex-Odebrecht, se deu pela atuação do comunista, enquanto deputado federal, em favor do Projeto de Lei 2.279/2007, que tramitava na Câmara dos Deputados.
O acerto, acrescentou José de Carvalho, ocorreu no gabinete do então parlamentar, que “não questionou a modalidade de pagamento [por meio de caixa dois]”.
De acordo com o que consta do termo de colaboração do ex-executivo, Dino teria atuado decisivamente para “aprimorar o projeto” que era de interesse da Odebrecht. O delator revelou, ainda, que ele assumiu o compromisso de indicar como relator substituto, na ocasião de sua licença para a disputa do governo, o deputado Chico Lopes, seu colega de PCdoB.
Dino, nega as acusações. Ele chegou a gravar um vídeo em que afirma ter sido prejudicado por “uma notícia falsa”. “Num momento confuso como esse que o Brasil vive, é muito fácil uma notícia falsa prejudicar um inocente”, destacou.

Prefeitura de Santa Rita vai gastar R$ 4,6 milhões para construir uma ponte

Hilton Gonçalo 

Segundo informações publicadas no Diário Oficial do Estado do dia 27 de junho, a ponte ligará o trecho do Povoado Quilombolas de Areia a Porto Alegre sobre o rio Itapecuru.A construção de apenas uma ponte em Santa Rita-MA, cidade que é comandada pelo comunista Hilton Gonçalo, vai custar aos cofres públicos exatos R$ 4.681.376,00.
A empresa Top Construção e Pavimentação, localizada no bairro Vila Maranhão, em São Luís, será responsável pela obra milionária.
Blog apurou que José Tadeu Cunha Pinto, sócio da Top Construção e Pavimentação Ltda, foi alvo de Ação Civil Pública pelo Ministério Público do Maranhão (MPMA), em razão de uma licitação irregular realizada entre a empresa e a Prefeitura de Paço do Lumiar. 
O contrato foi assinado no dia 22 de maio pela secretária Municipal de Administração e Finanças, Eliane Muniz, e o representante da empresa, Celso Luiz Vieira Dockhorn. A partir da assinatura, a ponte deverá ficar pronta em 365 dias.

Tristeza: Morre em Várzea Alegre “Assis Leandro” pai do prefeito de Maranhãozinho José Auricelio

Faleceu na tarde dessa quinta-feira,29, por volta das 15h30, em sua residência localizada de fronte à praça do Bairro Betânia, o Senhor Francisco Leandro de Assis, aos 94 anos, em consequência da idade já avançada.
Seu Assis é natural de Granjeiro/CE e residia em Várzea Alegre a muito tempo, teve dois casamentos, união conjugal com Josélia Gregório (Falecida há 50 anos) e atualmente com Selina Leandro. Teve 6 filhos biológicos e 1 adotivo, sendo que 5 estão vivos, entre eles a professora aposentada Ana Maria Gregório (Lecionou no Colégio São Raimundo e José Correia Lima), os empresários Luiz Gonzaga (Reside em Icó) e Raimundo Gregório (Em Farias Brito), Auricélio de Morais prefeito emMaranhãozinho, município pertencente ao estado do Maranhão e a filha adotiva Gilvani Bezerra do Disk Mensagem. O mesmo deixa ainda 13 netos e 9 bisnetos. 

Agricultor, Seu Assis era hipertenso, o seu corpo está sendo velado no Centro de Velório da Assistência Familiar Padre Cicero. Haverá missa às 15h dessa sexta-feira, na Igreja Matriz de São Raimundo Nonato e em seguida o sepultamento no Cemitério da Saudade.

Polícia prende casal com 45 kg de drogas no São Cristóvão, em São Luís

IMG-20170630-WA0025
A Polícia Civil, por intermédio da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (SENARC), efetuou no final da tarde de ontem (29), a prisão de Marcos Paulo Carvalho Gonaçalves, 31 anos e Audilene Duarte Alves, 28 anos, ambos suspeitos de tráfico de drogas, no bairro do São Cristóvão, em São Luís.
Segundo a Senarc, foram apreendidos 5KG de cocaína prensa, em forma de tablete, bem como, 26 tabletes de maconha, no mesmo formato, equivalente a 40KG.
A ação policial ocorreu após denúncia anônima, via aplicativo whatsApp, dando conta que a conduzida Audilene transportaria a referida substancia entorpecente da cidade de Alto Alegre do Maranhão para a cidade de São Luis, em ônibus Inter-municipal, local onde entregaria a droga a Marcos, na rotatória do bairro São Cristóvão, e este, por sua vez, a entregaria a outra pessoa, a fim de ser distribuída na região metropolitana.
O Marcos e Audilene foram presos em flagrante delito, e em seguida foram encaminhados à sede da SENARC onde foram autuados por prática de crime de tráfico e associação para o tráfico ilícito de drogas. Logo após, foram recambiados para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas onde ficarão à disposição da justiça estadual.

Devido a baixa popularidade de Plácido Holanda, Flávio Dino é desprestigiado pelo povo em Santa Luzia do Paruá .

Com a baixa popularidade do Prefeito de santa luzia do Paruá Plácido Holanda (PSB) o Governador do Maranhão foi recebido no município por funcionários que foram liberados de suas atividades para o evento que mais parecia um comício político , e o secretariado do prefeito.
  Isso mesmo. Mesmo com a mídia do prefeito toda na rua, convidando o povo para o evento de inauguração de uma escola do estado no município a população se fez de ” surda e muda” e não foi. 
 Pouquíssimas pessoas se fizeram presentes no local do evento, Plácido Holanda temendo algum tipo de demostração de descontentamento por parte da comunidade local, foi um dia antes na rádio que presta serviços para a prefeitura e disse que ia ” ter polícia em todo lugar, inclusive dentro de buracos ” expressão usada pelo gestor para falar que não poderiam iniciar nem um tipo de constrangimento pois a revolta da população com os dois governos é grande, tanto municipal quanto estadual, o Governador do estado foi desprestigiado pela comunidade local, no entanto o público que compareceu foi prefeitos da região que mais pareciam carrapatos grudados no Governador, o evento teve a presença de vários secretários que por sua vez nunca vieram aqui e agora aparecem do nada, talvez já pensando em aparecer para o embate de 2018, mais o  interessante é que o público alvo não foi, no caso o povo do município.

Só político da região .

Ex-prefeito de Serrano é condenado a 6 anos de prisão

Com base em uma Ação Penal proposta pelo Ministério Público do Maranhão, por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Cururupu, a Justiça condenou, no último dia 20, Leocádio Olímpio Rodrigues, ex-prefeito de Serrano do Maranhão (termo judiciário da comarca) a seis anos e seis meses de reclusão, em regime inicialmente semiaberto. O ex-gestor pode recorrer da sentença em liberdade.

O crime praticado pelo ex-prefeito foi o de “apropriação ou desvio de bens e recursos públicos em benefício próprio”. De acordo com a Ação do Ministério Público, de autoria do promotor de justiça Francisco de Assis Silva Filho, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontou uma divergência de R$ 2.892.674,50 na receita orçamentária do Município no exercício financeiro de 2008 sem que houvesse a devida comprovação de despesas.

Ao desaprovar as contas do ex-gestor no exercício financeiro de 2008, o próprio TCE já havia aplicado multas a Leocádio Olímpio Rodrigues.

Na sentença, o juiz Douglas Lima da Guia afirmou que “inexistindo documentos que comprovem despesas individualizadas, concluo pelo desvio e apropriação de tais valores, em proveito próprio pelo requerido ou alheio, destacando que o réu os possuía sob sua guarda e responsabilidade em decorrência de ocupar o cargo de prefeito, ordenador de despesas, no exercício de 2008”.

Na Ação Penal, a Promotoria de Justiça também havia pedido a condenação de Leocádio Olímpio Rodrigues por “dispensar ou inexigir licitação fora das hipóteses previstas em lei, ou deixar de observar as formalidades pertinentes à dispensa ou inexigibilidade”, com base no artigo 89 da Lei de Licitações (8.666/1993). Esse crime, no entanto, prescreveu em 2012.

Faculdade Pitágoras terá que indenizar aluno impedido de fazer prova

Por unanimidade, a 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) entendeu que uma instituição de ensino não pode, a pretexto de exigir mensalidades em atraso, impedir o aluno de fazer prova, retirando-o da sala de aula. Em razão do constrangimento ocorrido na presença de outros alunos, os desembargadores do órgão condenaram o Pitágoras Sistema de Educação Superior a pagar indenização, por danos morais, de R$ 15 mil ao estudante.

A 4ª Câmara Cível manteve a sentença do Juízo da 11ª Vara Cível de São Luís, que havia julgado procedente o pedido inicial e condenado a instituição de ensino, que impediu o aluno de realizar provas na faculdade por conta da existência de débitos que, todavia, já haviam sido quitados.

Na apelação ajuizada no TJMA, o Pitágoras alegou que o professor apenas orientou o estudante a se dirigir à coordenação para resolver suas pendências; argumentou que a instituição financeira não repassou os pagamentos realizados pelo aluno; e que a instituição de ensino não agiu com dolo ou culpa.

O relator do recurso, desembargador Paulo Velten, frisou que a própria apelante reconheceu que o nome do aluno não estava na lista de alunos aptos à realização da prova, em razão de pendências financeiras que constavam no sistema da instituição de ensino, muito embora tenha imputado o problema a um erro do banco.

O desembargador ressaltou que a prova testemunhal colhida em juízo, por outro lado, foi uníssona ao atestar que, em razão deste fato, o apelado foi impedido, perante toda a turma, de fazer a prova, motivo pelo qual fica evidente a existência de constrangimento apto a interferir no plano psicológico do aluno.

Paulo Velten disse que, configurado o abalo moral, bem como o nexo de causalidade, a instituição responde objetivamente por força da regra prevista no artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), na medida em que jamais poderia constranger o aluno perante sua turma, a pretexto de exigir o pagamento de mensalidades que, a rigor, já estavam até quitadas.

O relator destacou que, se nem mesmo o “consumidor inadimplente” pode ser “exposto a ridículo” ou “submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça” (CDC, art. 42), menos ainda poderia ser o aluno ser exposto a constrangimentos, pois já se encontrava em situação de adimplência.

Acrescentou que o fato de a instituição financeira, supostamente, ter retardado o repasse dos valores pagos pelo aluno, mediante boleto bancário, constitui circunstância que está ligada à forma de recebimento que a própria instituição de ensino elegeu para tocar sua atividade empresarial, configurando fortuito interno que não exclui o dever de indenizar.

Os desembargadores Jaime Ferreira de Araujo e Jamil Gedeon também negaram provimento à apelação do Pitágoras.

Deputado Josimar de Maranhãozinho prestigia o arraial de Araguanã

Deputado Josimar Prefeito Walmir e Família 

Na noite de ontem (29), o deputado estadual Josimar de Maranhãozinho (PR), esteve no município de Araguanã prestigiando o tradicional arraial da cidade, que nos últimos anos vem ganhando melhor estrutura e atraindo pessoas de várias cidades vizinhas. O parlamentar juntamente com sua esposa Detinha tem apoiado os festejos juninos de Araguanã e a soma desses esforços é uma festa com boa infraestrutura e grandes atrações.
Ao lado do prefeito Walmir Amorim (PR), o deputado Josimar acompanhou as apresentações culturais que teve quadrilhas e danças regionais. O parlamentar destacou o empenho do prefeito em manter viva a tradição do São João no município que é uma festa que, além de valorizar as manifestações folclóricas também gera renda para Araguanã. “Parabéns ao prefeito Walmir por manter viva a tradição dessa gente. Araguanã é um município que tem forte potencial turístico e as festas juninas devem entrar nesse roteiro, eu como parlamentar estou á disposição para ajudar no que for possível para o desenvolvimento desse lugar, pois aqui tenho grandes amigos que estão sempre ao meu lado.”
O encerramento do festejo acontece hoje com muitas quadrilhas e forró com Monique Pessoa.