1° Sargento publica carta inconformado com a falta de reconhecimento do Governo do Estado

O 1° Sargento da Polícia Militar do Maranhão, Clemilton, usou as redes sociais para desabafar sobre seu inconformismo com o Governador Flávio Dino, o Secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, e o Comandante Geral da PMMA, que segundo ele, fecham os olhos para os policiais que prestam serviços diários para a sociedade e são merecedores de promoções, mas são esquecidos porque gerencia o Estado.

O Sargento inicia a sua fala deixando claro que o manifesto não é um ato de indisciplina, mas que se trata apenas de verbalizar um sentimento de injustiça. Clemilton destaca ainda que geralmente os PMS que não trabalham no Tribuna de Justiça, ALEMA, Comando Geral e no Palácio dos Leões são esquecidos e que dificilmente são promovidos.

O Sargento questiona se o Governador Flávio Dino e o Secretário Jefferson Portela acompanham o dia a dia do policial que cuida da manutenção de armas, abastecimento de veículos e outras atividades que garantem a segurança dos seus companheiros e da sociedade maranhense, já que os beneficiados com promoções são sempre os que estão próximos das autoridades.

“Sabem quanto tempo sou 1° Sgt PM, cinco anos e há quanto tempo concorro a graduação de subtenente? Três anos, ou seja, seis promoções e durante todo esse tempo tenho visto mais ou menos 200 primeiros sargentos serem promovidos a graduação de subtenente em minha frente sendo que na sua grande maioria meus recrutas de promoção”, disse Clemilton.

O Sargento ressalta que este ano está voltando para a sua família e que sempre amou e foi grato pelo seu trabalho, mas que infelizmente faltou o reconhecimento que merecia.

Acompanhe na íntegra:

CARTA DE UM ANTIGO AOS SENHORES GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, AO SENHOR SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E AO SENHOR COMANDANTE GERAL DA PMMA

Primeiramente peço que não entendam essa carta como um ato de indisciplina pois não sou indisciplinado, simplesmente como muitos   da corporação sinto-me apenas mais um de muitos injustiçados.

A pergunta é: Os senhores me conhecem? Acho que não, nunca me viram em seus gabinetes ou em  passadiços do comando geral barganhando nada, mas se tivessem ido às ruas   tanto durante o dia como à noite talvez tivessem me olhado combatendo o crime e servindo a nossa sociedade, talvez se tivessem ido ao meu batalhão em uma determinada época, teriam me olhado controlando a carga de armamentos e fazendo a limpeza destes,  zelando para que o policial que estava na rua tivessem uma arma ao ponto de ser empregada  para defender sua vida e defender a comunidade , se tivessem ido ao posto de combustível que eu prestava serviço pela PMMA, teriam me olhado controlando o abastecimento e vigiando para que o estado pagasse pelo combustível que realmente utilizava, evitando qualquer tipo de fraude; se tivessem ido às escolas de minha área, teriam me olhado na ronda escolar do batalhão fazendo rondas nas escolas, mediando conflitos, combatendo o crime dentro dessas escolas e realizando palestras sobre drogas orientando os jovens para não adentrarem nesse mundo de que muitas das vezes não têm volta, e diga-se de passagem, todo material para essa palestra baixado na internet por mim ,por interesse próprio pois a corporação nunca me deu um material para me apoiar em tais palestras, dessa forma só engrandeci o nome da corporação e de meu estado, se ainda não me conhecem, deveriam ter verificado como estava o desempenho do meu batalhão referente ao serviço de coordenador da unidade ( CPU ),  pois durante mais de dois anos tirei serviço de responsabilidade de  oficial mesmo não sendo e lhes garanto , só basta perguntar ao meu comandante e aos meus subordinados e companheiros de serviço como eu me portei durante esse tempo no desempenho  da função. Sabem quantos serviços faltei durante todo esse tempo, sabem quantos atestados médicos tenho, sabem que sou hipertenso e não me vali dessa condição para não trabalhar durante a pandemia? Com certeza não sabem nada disso, então lhes pergunto, como podem julgar se mereço ou não  ser promovido à graduação de subtenente se nem mesmo me conhecem?

Será porque nunca trabalhei no TJ,na ALEMA, no QCG, no Palácio ,será porque sempre trabalhei em batalhão muitas das vezes arriscando minha vida para combater o crime nas comunidades de responsabilidade do batalhão que faço parte?

Estou voltando para minha família se Deus quiser no ano de 2023 e saibam os senhores, eu amo a profissão que escolhi para trabalhar, eu amo ser policial militar e nenhum dos senhores farão eu mudar esse meu pensamento, mesmo com tanta desmotivação que nós policiais militares passamos.

Ah! Esqueci de dizer, sabem quanto tempo sou 1°Sgt PM, cinco anos e à quanto tempo concorro à graduação de subtenente? Três anos, ou seja, seis promoções e durante todo esse tempo tenho visto mais ou menos 200 primeiros sargentos serem promovidos à graduação de subtenente em minha frente sendo que na sua grande maioria meus recrutas de promoção.

Ass: 1°SGT PM CLEMILTON- 6°BPM

6 pensou em “1° Sargento publica carta inconformado com a falta de reconhecimento do Governo do Estado

  1. Sgt R Barbosa./93
    O Sr está de parabéns Sr 1°Sgt Clemilton pelo excelente texto. Faço de suas palavras as minhas. Sgt PM RBarbosa. Não é um ato de indisciplina e sim de clamor pela justiça que fechou os olhos pelos atropelamentos do regulamento de promoções da polícia militar. Fico triste em saber que vou para casa como 3°Sgt, sabendo eu que muitos são os policiais recrutas que passaram na frente de muitos.

  2. Os critérios de promoção na PMMA deveriam ser impessoais, para serem promovido os policiais!

    Hoje e tido e nítido como moeda de troca, pra tudo, favores, de todos os tipos, compra de voto, e por aí vai!

  3. Com a eloquência de suas palavras, o Sargento Clemilton conseguiu exteriorizar um sentimento que intrínseco na maioria dos policiais militares, que assim como ele tem os seus direitos constantemente preteridos em razão de um pseudo merecimento. Saiba meu irmão, que a maioria da tropa se identifica com as suas sábias e oportunas palavras, e hj vc se tornou um porta-voz da desmotivação, do desânimo e da tristeza de centenas de policiais militares!!!

Deixe uma resposta