CHAMEM O GAECO! Empresa investigada pela PF já faturou mais de R$ 23 milhões em contratos em Axixá

Prefeita de Axixá indo para sua primeira temporada na cadeia

A “parceria” entre os empresários Glabsom de Jesus pereira, Paulo Henrique Almeida pinheiro e a prefeita Sônia Campos de Axixá é bem sólida e sobrevive até mesmo uma investigação da Polícia Federal.

De acordo com dados colhidos no Tribunal de Contas do Estado á GPA  construções e serviços LTDA, já firmou mais de 23 milhões de reais em contratos na gestão da prefeita Soninha Campos de Axixá.

No topo da maior contratada em quatro anos no município o órgão de contas do Maranhão informa que de 2016 á 2019 os empresários da Raposa assinaram contratos na casa dos R$ 23.817.638,00 (Vinte e três milhões oitocentos e dezessete mil seiscentos e trinta e oito reais) apenas no município de Axixá.

Os empresários Glabson de Jesus e Paulo Henrique Pinheiro “donos” da GPA, já estão sendo investigados pela Policia Federal em inquérito que apura uso irregular de precatórios do Fundef pela prefeitura de Anapurus. Os dados foram revelados pelo portal ATUAL7.

O blog tomou conhecimento que os contratos firmados entre a gestão de Axixá e a empresa GPA serão levados ao conhecimento do GAECO e do MPF.

CHAMEM O GAECO! Sissi Viana contrata empresa investigada pela Polícia Federal por mais de R$ 1,3 milhão

O juramento da corrupção

O município de Godofredo Viana administrado pelo prefeito Sissi Viana é mais um dos municípios que entregaram nas mãos dos empresários Glabson de Jesus Pereira e Paulo Henrique Pinheiro cifras públicas milionárias para prestação de serviço público.

Os empresários Glabson de Jesus e Paulo Henrique Pinheiro já estão sendo investigados pela Policia Federal em inquérito que apura uso irregular de precatórios do Fundef pela prefeitura de Anapurus. Os dados foram revelados pelo portal ATUAL7.

O prefeito Sissi Viana contratou a GPA construções para realizar os serviços de coleta de lixo no município. O valor dos serviços será de R$ 1.347.647,52 (Um milhão trezentos e quarenta e sete mil seiscentos e quarenta e sete reais e cinquenta centavos).

Um levantamento detalhado realizado pelo blog revela uma planilha de empresas já investigadas e que inclusive tiveram seus donos presos em operações federais atuando no município de Godofredo Viana, mais isso é assunto para próxima matéria.
O GAECO (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) precisa estar atento.

Chico Velho contrata empresa investigada pela PF para construir mercado

A prefeitura de Maracaçumé administrada pelo prefeito Francisco Gonçalves o Chico Velho, contratou a empresa GPA construções e serviços LTDA para realizar os serviços de elaboração do projeto do Mercado Municipal e logo após a mesma empresa foi contratada para executar os serviços de construção do mercado.

Para elaborar o projeto a GPA garfou pouco mais de oito mil reais e para construção do mercado os sócios Glabson de Jesus Pereira e Paulo Henrrique Pinheiro terão lucro de R$ 271.455,00 (Duzentos e setenta e um mil quatrocentos e cinquenta e cinco reais).

A GPA é uma empresa localizada na Raposa e que pertence aos sócios Glabson de Jesus Pereira e Paulo Henrique Pinheiro. De acordo com dados fornecidos pelo portal ATUAL7 a GPA já é investigada pela Policia Federal em inquérito que apura uso irregular de precatórios do Fundef pela prefeitura de Anapurus.

É mais um abacaxi para Chico Velho descascar!

DISMEP distribuidora deve ser arrolada em denúncia na PF sobre venda de supostos medicamentos vencidos

Medicamentos vencidos encontrados em UBS de Santa Luzia do Paruá

A prefeitura de Santa Luzia do Paruá administrada pelo prefeito Plácido Holanda (PSB), fechou contrato milionário com uma empresa do município de Pinheiro e o objeto do contrato seria a compra de medicamentos para o município.

A empresa Dismep- Distribuidora de medicamentos Pinheirense, deve lucrar R$ 2.168.236,08 (Dois milhões cento e sessenta e oito mil duzentos e trinta e seis reais e oito centavos), o acordo contratual teve assinatura no dia 28/02/2019 e deve findar  no dia 31/12/2019.

A Dismep pertence ao empresário José Atanagiudo Mello Soares e tem sede no município de Pinheiro no bairro vila Filuca.

Medicamentos vencidos 

O vereador de Santa Luzia do Paruá, Felipe Ferraz, em visita a uma unidade básica de saúde constatou inúmeras caixas de remédios com a validade já ultrapassada, alguns inclusive venceram ainda em 2018. A secretaria de saúde do município é comandada pelo secretário Gean César de Albuquerque.

O blog foi informado que denúncias referentes a supostos desvios de verbas da saúde do município já teriam sido feitas no Ministério Público, Policia Federal e na Controladoria Geral da União, os medicamentos vencidos encontrados na UBS será mais uma denúncia a chegar na sede da PF em São Luís.

Veja o contrato:

PF investiga organização criminosa responsável por fraudes ao Seguro Desemprego

A Polícia Federal deflagrou, nesta manhã (04/9), a Operação Mensageiro, visando desarticular grupo criminoso responsável por invasões ao sistema da Caixa Econômica Federal (CAIXA), visando recebimento ilegal de Seguro Desemprego.

Segundo a investigação, o grupo criminoso invadia os sistemas da CAIXA e alterava o endereço de cidadãos que estavam recebendo regularmente o seguro-desemprego. Após, solicitavam um novo cartão do cidadão, que era encaminhado ao endereço previamente alterado pelos criminosos. De posse dos cartões, o grupo realizava o recadastramento da senha em casas lotéricas e, na sequência, efetuavam o saque de uma parcela do seguro-desemprego, impedindo o saque pelo titular do benefício.

Até o momento, as investigações apontam quase 12 mil endereços alterados na CAIXA, pela organização criminosa, o que pode resultar num prejuízo de aproximadamente 15 milhões de reais ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Os investigados devem responder, na medida de suas participações, pelos crimes de associação criminosa, estelionato majorado, corrupção ativa e corrupção passiva, cujas penas somadas podem chegar a vinte e seis anos e meio de reclusão.

O nome da operação faz alusão a uma das facetas da quadrilha, consistente na cooptação de funcionário dos correios, responsável pela entrega irregular dos cartões.

Polícia Federal deflagra Operação Luz na Infância 5

A Polícia Federal realizou na manhã desta quarta-feira (04), a 5ª fase da Operação Luz na Infância. A Operação deflagrada sob a coordenação do Ministério da Justiça e Segurança Pública  (MJSP) tinha o  objetivo  identificar autores de crimes de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes praticados na internet.

Cerca de 80 policiais federais dão cumprimento a 17 mandados de busca e apreensão nos estados do Paraná, Santa Catarina, Amazonas, Amapá, Maranhão, Alagoas, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

No total da Operação, 656 policiais, em 11 estados brasileiros e, ainda, nos Estados Unidos, Panamá, Paraguai, Chile, Equador e El Salvador atuam nas buscas decretadas contra 105 alvos, cumprindo mandados de busca e apreensão de arquivos com conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual praticados contra crianças e adolescentes.

A operação está sendo coordenada a partir do Centro Integrado de Comando e Controle Nacional – CICCN, em Brasília/DF.

No Maranhão, a Polícia Federal deu cumprimento a cinco mandados judiciais.

Escândalo! Prefeita de Monção foi denunciada na PF por fraudar Censo escolar

O município de Monção é alvo de investigação realizada pela  Polícia Federal que apura possível fraude nos dados do censo escolar do município. Segundo documento obtido pelo Blog Werbeth Saraiva, mostra que a atual prefeita Klautenis Deline Oliveira Nussrala, conhecida como Cláudia Silva, teria fraudado dados do censo para obter mais recursos do Ministério da Educação. Vale lembrar, que é  através do censo escolar que o Governo Federal define o valor do recurso que deve ser repassado para cada município.

O documento revela que a Prefeitura enviou dados ao INEP informando ter mais de 3 mil alunos em regime integral, sendo que na realidade há apenas 75 crianças que estudam em regime regular na simples Escola Antonilson Coelho Costa,localizada na sede da cidade.

A denúncia manifestou ainda que a quantidade de matriculados no ensino fundamental não corresponde o que foi repassado ao órgão federal. Já no EJA ( Educação de Jovens e Adulto), foi repassado que há 3 mil alunos, sendo que, na verdade só há 600 alunos.

Diante dos fatos, o inquérito irá apurar tais irregularidades na denúncia encaminhada a Polícia Federal.

Polícia Federal realiza operação Floresta de Papel no Maranhão e mais 4 estados

Operação Floresta de Papel,da Polícia Federal realizada em Roraima, Maranhão,Amazonas, Mato Grosso e Pará Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (12) a operação Florestas de Papel, que mira um esquema de desmatamento ilegal que movimentou cerca de R$ 80 milhões. A ação envolvendo mais de 150 policiais e ocorre em Roraima, Amazonas, Mato Grosso, Maranhão e Pará.

São cumpridos oito mandados de prisão, 56 de busca e apreensão e quatro de suspensão de atividades econômicas. Um empresário que estava de férias em Fortaleza foi detido. Ele tem oito empresas em seu nome e seria um dos maiores beneficiários do esquema.

Segundo a PF, operação foca em 22 madeireiras que cometeram as irregularidades entre 2014 e 2017, principalmente no Sul de Roraima. Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara da Seção Judiciária do estado.

Nas investigações, a Polícia Federal identificou o desmatamento de 260.000 metros cúbicos de madeira, o suficiente para encher 8 mil caminhões.

 Ainda segundo a polícia, os donos das firmas usavam laranjas e empresas de fachada para conseguir a emissão de DOFs, licença exigida para transporte e armazenamento de produtos e subprodutos florestais de origem nativa, como toras de madeira e madeira serrada.

As fraudes eram feitas no SISDOF, sistema do IBAMA que gerencia a expedição dos Documentos de Origem Florestal (DOF).

“A PF identificou mais de 91.000 metros cúbicos de madeira serrada que teriam sido “regularizadas” mediante fraude. Convertidas em toras de madeira, este quantitativo se aproxima de 260.000 metros cúbicos, ou 120.000 toras, o suficiente para carregar aproximadamente 8 mil caminhões”, detalhou a PF.

Dentre as espécies desmatadas encontravam-se Ipês, Cedros, Maçarandubas, Aroeiras e Jacarandás, dentre outras. No mercado, o valor das madeiras envolvidas na fraude poderia chegar a quase R$ 80 milhões.

PF realiza cumprimento de mandado no Maranhão

 A Polícia Federal no Maranhão,através da Unidade de Repressão aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil, deflagrou na manhã desta quinta-feira(23), em São Luís, a Operação “Nêmesis”.

A Operação “Nêmesis”, coordenada pela Polícia Federal de Brasília deu cumprimento a 28 mandados de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais, Paraíba , Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e em São Paulo.

Já no Maranhão ,a PF cumpriu mandado numa residência localizada no bairro da Cidade Operária.No local foram apreendidos pendrives,DVDs,CDs e computador. O investigado não se encontrava no momento da apreensão,mas deverá se apresentar nas próximas horas na Sede da Superintendência PF,na Cohama .

A operação “Nêmesis”  faz referência  mitologia, na qual simboliza a indignação pela injustiça ,sendo sua função essencial  o equilíbrio quando a justiça  deixa de ser praticada. A iniciativa coincide com a  semana do Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes que é celebrado anualmente em 18 de maio.

PF deflagra operação Grande Família para combater fraudes previdenciárias no Piauí e Maranhão

 

material apreendido durante a operação” Grande Família”   foto: Polícia Federal

A  Polícia Federal deflagrou nesta quarta- feira (15) a Operação “GRANDE FAMÍLIA”,visando desarticular grupo criminoso especializado no recebimento de benefícios previdenciários de segurados falecidos.

Segundo informações,cerca de 125 agentes federais dos Estados do Piauí, Ceará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco deram cumprimento a 31 mandados de busca e apreensão e 21 mandados de prisão preventiva. Os mandados expedidos pela 3ª Vara da Seção Judiciária Federal em Teresina,estão sendo cumpridos nos estados do Piauí e Maranhão.

De acordo a Polícia Federal,as investigações tiveram início em 2018, a partir de relatórios produzidos pela Coordenação Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia – órgão integrante da Força tarefa Previdenciária – que apontaram irregularidades em transferências de benefícios previdenciários do Maranhão para o Piauí.

ainda de acordo a Polícia Federal,a quadrilha era formada por estelionatários e servidores públicos, falsificava documentos em nome dos beneficiários falecidos, abria contas bancárias e, posteriormente, servidores do INSS integrantes da quadrilha transferiam os benefícios do Estado do Maranhão para Teresina.

Cerca de 640 benefícios previdenciários fraudados foram identificados no curso da investigação. A Justiça Federal determinou a imediata suspensão destes benefícios, medida que evitará um prejuízo futuro estimado em R$ 80 milhões. Também determinou a apreensão de veículos, o bloqueio das contas bancárias dos presos e a suspensão do exercício da função pública para os servidores do INSS.

Os investigados deverão responder os artigos 288,171,299,304,317 e 333 do Código Penal Brasileiro pelos crimes de associação criminosa estelionato qualificado , falsidade ideológica, uso de documento falso, corrupção passiva e corrupção ativa.