Duarte Jr mostra que a Justiça Eleitoral do Maranhão não existe

201 mil revistas foram distribuídas na ilha de São Luís. O ato é uma afronta ao MPE do Maranhão.

O deputado estadual Duarte Jr. parece não ter limites quando o quesito é aparecer. São vários os desafios feitos pelo parlamentar à Justiça Eleitoral do Maranhão, mesmo enfrentando um processo de cassação por ter abusado da máquina do PROCON para se eleger deputado estadual nas eleições de 2018.

O parlamentar Duarte Jr. é pré-candidato à prefeitura de São Luís e já foi advertido pelo Ministério Público Eleitoral sobre suas campanhas publicitárias que refletem uma verdadeira antecipação da campanha partidária, mas mesmo assim, Duarte continua.

Milhares de revistas com conteúdo de promoção pessoal do deputado estão sendo distribuídas nas casas, e as revistas chegam aos lares pelos correios. De acordo com dados colhidos pelo blog, foram 201 mil panfletos distribuídos, apenas no centro da cidade 44 mil panfletos e para fazer a distribuição a empresa de correio abocanhou R$ 45 mil, dinheiro oriundo de contribuição da população do Maranhão.

O MPE ainda não se posicionou.

Alô MPE, Toca Serra desafia a justiça e entrega carrada de prêmios no interior, em pleno ano eleitoral

Em pleno ano eleitoral e faltando meses para a eleição, o candidato Toca Serra resolveu “aflorar” a generosidade e doar uma “carrada” de prêmios pelo interior do estado,as imagens são claras,Toca Serra aparece doando prêmios em um evento, ladeado pelo prefeito de Turilândia, Alberto Magno, outro que é atolado em denúncias  na justiça  por possível abuso de poder econômico nas eleições de 2016.

Alberto Magno usando estrutura da prefeitura para beneficiar candidatos, CRIME ELEITORAL!

“Fazer propaganda para candidato com distribuição gratuita de bens ou serviços custeados pelo poder público.”

Veja a relação de alguns itens que se forem burlados por qualquer candidato o mesmo pode ter o registro de candidatura cassado pela justiça eleitoral e não disputar as eleições, o que deve acontecer com Toca Serra.

É proibido:

    • Doar, oferecer, prometer ou entregar qualquer bem ou vantagem pessoal, inclusive emprego ou função pública, com o objetivo de conseguir voto.
    • Usar materiais ou imóveis pertencentes à União, estados, Distrito Federal, territórios ou municípios para beneficiar campanha de candidato ou partido (exceções: realização de convenção partidária, utilização de carro oficial pelo presidente da República – com ressarcimento posterior pelo partido/coligação, utilização de residências oficiais para atos não-públicos).
    • Usar materiais ou serviços, custeados pelo governo, que não sejam para finalidade prevista nas normas dos órgãos a que pertençam.
    • Utilizar servidor ou empregado do governo, de qualquer esfera, para trabalhar em comitês de campanha durante o expediente, exceto se o funcionário estiver licenciado.
    • Fazer propaganda para candidato com distribuição gratuita de bens ou serviços custeados pelo poder público.
    • Gastar, em ano eleitoral, em publicidade de órgãos públicos, mais do que a média dos anos anteriores ou mais do que o total do ano anterior.
    • Dar, em ano eleitoral, aumento geral para os servidores públicos além do que for considerado perda do poder aquisitivo naquele ano.
    • Na publicidade governamental, ter nomes, fotos ou símbolos de promoção pessoal de autoridade ou servidor público.