Após morte de indígena no Amapá, Bolsonaro diz ter ‘intenção’ de legalizar o garimpo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (29) que tem a “intenção” de legalizar o garimpo no país, plano que incluí a liberação da atividade em terras indígenas.

Bolsonaro deu a declaração ao comentar a tensão registrada no Amapá, onde a invasão de terras indígenas  do povo Waiãpi por garimpeiros e a morte de um indígena estão sendo apuradas  pelo Ministério Público Federal no Amapá.

Segundo Bolsonaro, ONGs e outros países (ele não deu exemplos) são contrários, pois desejam ver os indígenas presos em um “zoológico”, como se fosse um “animal pré-histórico”.

Conflito

Bolsonaro declarou que, até o momento, não teve “nenhum indício forte” de que o indígena foi assassinado.

“Nesse caso agora aqui, as informações até o momento, vou atualizar de manhã, não tem ainda nenhum indício forte de que esse índio foi assassinado lá agora. Chegaram várias possibilidades. A PF está lá, quem nós pudermos mandar para lá já mandamos para buscar desvendar o caso e buscar a verdade sobre isso aí”, afirmou o presidente.

Os relatos de conflitos começaram no último sábado (27) e documentos de servidores da Fundação Nacional do Índio (Funai) afirmam que cerca de 15 invasores passaram uma noite na aldeia Yvytotõ de forma “impositiva” e “de posse de armas de fogo de grosso calibre”.

Por meio de nota, a Funai falou sobre a denúncia de morte do indígena Emyra Waiãpi, no dia 23 na Aldeia Mariry, e disse que precisa de mais informações sobre o caso.

G1

Jair Bolsonaro diz ‘ Amar o Nordeste’, durante evento na Bahia após polêmica sobre governadores da região

Bolsonaro desembarca em Vitória da Conquista, na Bahia, para inauguração de aeroporto — Foto: Reprodução/GloboNews

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (23) em evento em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, que ama o Nordeste. A declaração foi dada durante a cerimônia de inauguração do Aeroporto Glauber Rocha.

A viagem do presidente é a segunda ao Nordeste desde que ele tomou posse e a primeira após a polemica gerada durante  conversa informal com o ministro Onyx Lorenzoni na última sexta-feira (19), onde o  presidente afirmou que “daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão”.

“Não estou em Vitória da Conquista, não estou na Bahia, nem no Nordeste. Estou no Brasil. Não há divisão entre nós: [divisão por] sexo, raça, cor, religião ou região. Somos um só povo com um só objetivo: colocar esse grande país em um lugar de destaque que merece.”

‘Falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira’, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do ministro Onyx Lorenzoni, durante café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto — Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (19) que é uma “grande mentira” que pessoas passem fome no Brasil. Segundo ele, não há nas ruas do país pessoas com “físico esquelético”.

A declaração foi dada durante café da manhã com jornalistas de veículos estrangeiros e foi transmitida por uma rede social do presidente.

Durante o café da manhã, Bolsonaro foi questionado por uma jornalista a respeito do aumento da pobreza e da fome no Brasil, problema que teria sido apontado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

DADOS

Números da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), porém, apontam que, no Brasil, ao menos 2,5% da população ainda encontra-se em grave situação alimentar.

Os dados, divulgados no final do ano passado, apontam que, em 2017, ano utilizado como base para o relatório, mais de 5,2 milhões de brasileiros passaram um dia inteiro ou mais dias sem consumir alimentos ao longo do ano.

‘Se quer levar mais de 10 quilos, pague, sem problema nenhum’, diz Bolsonaro após veto a bagagem gratuita

Foto: Divulgação.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (18) que empresas aéreas alegaram que a gratuidade nas bagagens em voos seria um “empecilho” para o setor e que para ele não há “problema nenhum” em pagar para voar com bagagens acima de 10 quilos.

Bolsonaro deu as declarações ao comentar o veto que fez, na segunda-feira (17), a um trecho de uma medida provisória (MP) que determinava o direito a gratuidade de até 23 quilos em aviões com capacidade acima de 31 lugares, nos voos domésticos.

“Com todo o respeito, quer fazer uma viagem e vai usar mais, vai levar mais de 10 quilos, acho que… Se quer levar mais de 10 quilos, pague, pô, sem problema nenhum”, afirmou o presidente.

Com o veto deste trecho da MP, as aéreas poderão voltar a cobrar pelas bagagens despachadas, ficando os passageiros isentos apenas de bagagens de mão até 10 quilos.

No entanto, o Congresso Nacional poderá derrubar o veto presidencial quando vier a analisá-lo. Ainda não há previsão de quando essa medida provisória será apreciada pelos congressistas em sessão conjunta da Câmara e do Senado.

Na manhã desta terça, Bolsonaro foi questionado por jornalistas sobre o motivo do veto. O presidente explicou que as empresas apontaram que a cobrança seria um “empecilho” e que empresas de baixo custo (low cost) desejam o veto à gratuidade.

Maia diz que saídas de Levy e diretor do BNDES são ‘uma covardia sem precedentes’

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na manhã desta segunda-feira (17) que as saídas de Joaquim Levy e do advogado Marcos Barbosa Pinto da presidência e direção do BNDES são “uma covardia sem precedentes”.

“Uma pena o Brasil ter perdido dois nomes como os do advogado e do Levy. Acho uma covardia sem precedentes”, disse Maia.

Em evento promovido pela BandNews, Maia afirmou que com a saída de Levy da presidência do BNDES, cabe ao ministro da Economia, Paulo Guedes,controlar a situação. “Quem tem que segurar firme é quem nomeou e foi o ministro”, disse Maia.

Levy pediu demissão  neste domingo (16), um dia após o presidente Jair Bolsonaro ter dito em entrevista coletiva que o presidente do BNDES estava com a “cabeça a prêmio”. Bolsonaro cobrava a demissão de Marcos Pinto, diretor de Mercado de Capitais do banco.

Segundo integrantes da equipe econômica, o substituto de Levy será indicado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e deve ser da iniciativa privada.

Marcos Pinto, que renunciou ao cargo na noite deste sábado, é respeitado entre economistas e técnicos. Segundo o jornal “Valor Econômico”, é mestre em direito pela Universidade de Yale (EUA) e doutor pela Universidade de São Paulo (USP).

MPE requer que outdoor de Maura Jorge e Jair Bolsonaro seja imediatamente retirado

O Ministério Público Eleitoral no Maranhão encaminhou ao Tribunal Regional Eleitoral no Estado (TRE-MA) representação contra Maura Jorge de Alves Ribeiro, pré-candidata à eleição para o Governo do Maranhão, em 2018. Ela é acusada de  realizar propaganda eleitoral antes do prazo, violando o artigo 2º da Resolução TSE nº 23.551/2017, que diz que “a propaganda eleitoral só é permitida após o dia 16 de agosto do ano da eleição”.

Para o Ministério Público Eleitoral, Maura Jorge fez propaganda eleitoral antecipada por meio de outdoorlocalizado em São Luís (MA), na Avenida dos Holandeses, local de grande circulação na cidade, o que é vedado pela legislação eleitoral. Foi constatado, desde 9 de abril de 2018, que o outdoor apresenta a imagem da pré-candidata ao governo do estado ao lado do pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro, com os seguintes dizeres “Unidos somos mais fortes”.

Segundo o procurador regional eleitoral substituto Juraci Guimarães Júnior,  “é importante contextualizar essa propaganda eleitoral antecipada por meio de outdoor no conjunto de outras ações, como vídeos veiculados na internet, que demonstram a intenção de Maura Jorge de Alves Ribeiro de levar ao conhecimento geral sua candidatura e o apoio do pré-candidato à presidência, Jair Bolsonaro”, disse.

O Ministério Público Eleitoral requer que o outdoor seja imediatamente retirado, bem como qualquer outro presente no estado do Maranhão, e o pagamento de multa prevista no artigo 4º da Resolução TSE nº 23.551/2017, entre R$ 5.000,00 e R$ 20.000,00.