Gil Cutrim de saída do PDT

Após ter votado a favor da reforma da previdência e ser taxado como covarde pelo presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, o deputado federal Gil Cutrim prepara sua saída do Partido democrático trabalhista.

De acordo com informações obtidas pelo blog do Werbeth Saraiva, Gil Cutrim tem trabalhado forte nos bastidores para deixar a legenda presidida no estado pelo senador Weverton Rocha. O Partido Republicano da Ordem Social (PROS) pode ser o novo abrigo partidário de Gil.

É aguardar!

PDT suspende atividades partidárias de Gil Cutrim após apoio pela reforma da Previdência

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) decidiu nesta quarta-feira (17) abrir processo para decidir a punição dos  oito deputados da sigla que contrariaram determinação partidária e votaram a favor da reforma da Previdência, entre eles, o deputado maranhense Gil Cutrim.

Os deputados ficarão  suspensos de suas atividades partidárias  até o fim do processo.

Segundo  Carlos Lupi, presidente do PDT,  a suspensão significa que os parlamentares não poderão representar o partido nas direções estaduais e nacional, no Congresso, e também não poderão usar a legenda do PDT. O partido ainda vai decidir se eles poderão ocupar vagas em comissões na Câmara.

O processo para apurar a conduta dos deputados deve durar de 45 a 60 dias. Umas das punições possíveis é a expulsão do partido, mas os parlamentares também podem sofrer sanções mais brandas, como uma advertência.

Os deputados do PDT que foram temporariamente suspensos são: Alex Santana (BA); Flávio Nogueira (PI); Gil Cutrim (MA); Jesus Sérgio (AC); Marlon Santos (RS); Silvia Cristina (RO); Subtenente Gonzaga (MG); Tabata Amaral (SP).

Na segunda-feira (15), o PSB também decidiu abrir processo para definir a situação dos deputados da sigla que, contrariando determinação partidária, votaram a favor da reforma da Previdência.

Em Brasília, André Dourado representará FAMEM durante encontro Nacional dos Municípios

André Dourado,prefeito de Carutapera. Foto: Divulgação

O prefeito de Carutapera, André Dourado; irá representar a Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), no encontro da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), em Brasília, nesta terça- feira(09) e quarta-feira (10).

A Confederação está mobilizando os representantes da administração municipal para garantir a inclusão dos Municípios na Reforma da Previdência.

Será solicitada junto ao Congresso Nacional , a exclusão da vedação de novos Regimes Próprios de Previdência Social(RPPS), possibilidade de alíquota extraordinária para Municípios,permissão para os RPPS realizarem empréstimos consignados, manutenção das regras atuais do BPC ; além da aposentadoria rural.

Se aplicadas as regras da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 06/ 2019) aos 2. 108 municípios que possuem RPPS, estima-se uma redução de despesa de R$ 41 bilhões, comprometendo o pagamento de futuras aposentadorias e da folha de servidores, além da manutenção dos serviços básicos, como saúde e educação.

“ Iremos para discutir em conjunto alguns pontos sobre a Reforma da Previdência. Não podemos ignorar sobre esse tema. Os Municípios não têm como suportarem sem a inclusão na reforma”, destacou André Dourado.

André Fufuca quer retirar professores e policiais militares da reforma da Previdência

O deputado do PP maranhense André Fufuca, preocupado com os professores e os policiais militares, apresentou uma emenda à PEC da Previdência na Comissão Especial que retira ambas as categorias profissionais dos efeitos da Reforma. A emenda apresentada pelo parlamentar quer que os professores e policiais militares não tenham as regras atuais de aposentadoria modificadas, para que não sofram prejuízos caso a Reforma da Previdência seja aprovada. Para o parlamentar, essas categorias já sofrem com o pouco reconhecimento social no caso dos professores e o risco inerente ao trabalho no caso dos policiais. “Penalizar essas categorias na aposentadoria é ignorar como são essenciais para o desenvolvimento da sociedade”, explicou o parlamentar.

O texto apresentado por André Fufuca também retira da reforma os produtores rurais e indivíduos que têm direito ao benefício da prestação continuada. O parlamentar explicou que “a economia de dinheiro com a mudança de regras para esses grupos tão sofridos é muito menor que o benefício social que as regras atuais proporcionam. Temos que lembrar que o sistema previdenciário atual também se chama solidário por prestar assistência a essas camadas muito carentes da população.”