Contrato de iluminação pública em Governador Nunes Freire precisa ser investigado pelo MPE

Romulo Nascimento da Costa, proprietário da empresa e o prefeito Josimar da Serraria

Além de estar enrolado em investigação que apura lavagem de dinheiro, como este blog já revelou, reveja aqui, o empresário Romulo Nascimento da Costa deve ser alvo de nova investigação do Ministério Público, que deve apurar irregularidades no contrato de iluminação pública na prefeitura de Governador Nunes Freire.

Existem suspeitas de irregularidades cometidas entre a gestão pública de Governador Nunes Freire e a referida empresa. O valor do contrato é um dos principais fatores a ser questionado pelo Ministério Público. Serão quase R$ 142 mil pagos por mês para CONSTRUPRIME EMPREENDIMENTOS, mesmo sem fornecer todos os itens que consta no projeto do contrato.

Denúncias enviadas ao blog e que precisam ser apuradas pelo Ministério Público, revelam inexistência da quantidade de mão de obra citada no projeto, na execução dos serviços pela cidade. Outra irregularidade é que na planilha consta diversos veículos que seriam utilizados pela empresa na execução dos serviço e até agora os mesmos não foram vistos no município. É possível que boa parte do que está no projeto básico para ser executado pela empresa não esteja sendo disponibilizado pela mesma e mesmo assim serão pagos pela prefeitura. O que pode caracterizar que o contrato está servindo para desviar dinheiro público.

Outro fato que chama atenção é que no contrato a empresa seria responsável pelo abastecimento dos veículos e segundo informações enviadas ao blog e que precisam ser apuradas pelo MP, os veículos estariam abastecendo pela cota da prefeitura. Outro crime.

É necessário que o MP apure existência de fraude desde o processo licitatório até a realização dos serviços e o pagamento. Com isso, evitará desvio de dinheiro público.

Clique.

Gilberto Braga reajusta contribuição de iluminação pública em Luís Domingues

Prefeito Gilberto Braga

O prefeito de Luís Domingues,Gilberto Braga Queiróz, usou suas atribuições legais para reajustar a cobrança de iluminação pública no município.

 O “presente” de grego, do prefeito, foi por meio de decreto, no dia 30 de abril de 2019. Gilberto Braga, justificou o aumento na cobrança por ver a necessidade de equilibrar as faixas de consumo, o valor de participação da CIP nas faturas cobradas dos consumidores.

O decreto entrou  em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Gilberto, deve responder na justiça, pois o decreto é ilegal, tendo em vista que só poderia ser feito de um ano para outro e votado pelo legislativo. O blog fará contato com o Ministério Público da comarca para saber do posicionamento.

Faça o download do documento, AQUI.