Silêncio de Edivaldo sobre operação na SEMUS pode ser confissão de culpa

Lula Fylho e o prefeito Edivaldo Holanda Jr

Diante da investigação de um esquema milionário que envolve uma das suas principais secretarias, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior optou pelo silencio, levando à população o sentimento de estranheza e motivos de questionamentos sobre a sua gestão.

Para começar, um gestor sério, no mínimo, se importaria de prestar esclarecimento público, diante do escândalo que põe em xeque seu comando na frente do sistema administrativo do município.

O não pronunciamento de Edivaldo faz parecer que o gestor é conivente com o escândalo, pois até o momento, não há notícias de punição aos agentes públicos suspeitos de estarem envolvidos nas investigações.

Uma das medidas cabíveis nesse momento, e esperada pela população de São Luís, é a exoneração do secretário de saúde Lula Filho. Ou seja, como que a sociedade, no meio de uma pandemia, vai creditar em um gestor que está sendo acusado de participar de um esquema milionário envolvendo dinheiro público?

O silêncio de Edivaldo leva a população a desconfiar ainda mais da sua péssima gestão, e agora nasce a desconfiança da suposta participação no esquema.

Como diz um velho ditado: Quem cala, consente!

Em meio ao caos do coronavírus, secretário de esportes de São Luís contrata locadora de carros por quase R$ 250 mil

Jasson Lago Jr.

Mesmo durante a maior crise sanitária da história mundial, os secretários da gestão Edivaldo Holanda Jr., em São Luís, não param de fazer gastos supérfluos e suspeitos.

É o caso do secretário de esportes, Jasson Lago Jr., que, mesmo sem qualquer tipo de atividade na SEMDEL, contratou uma locadora de veículos por valor exorbitante.

No meio da pandemia do coronavírus, o secretário que é pupilo do vereador Raimundo Penha (PDT), resolveu alugar carros para a Secretaria de Esportes e, para isso, contratou a empresa Raposa Auto center Eireli-ME, por R$ 215.100,00 (duzentos e quinze mil e cem reais).

O contrato foi assinado no último dia 19, pelo secretário Jasson Jr. Lago.

Veja o contrato:

O Ministério Público deve ser acionado!