Abandono na saúde de Presidente Médici deve resultar em auditoria do Denasus

Prefeita Ilvane Pinho

O município de Presidente Médici administrado pela prefeita Ilvane Pinho não tem tido dificuldades no quesito financeiro, para se ter uma ideia, em levantamento realizado pelo blog, entre os dias primeiro de Dezembro e dez de dezembro deste ano, o município recebeu a bagatela de R$ 780.286,24 C (Setecentos e oitenta mil duzentos e oitenta e seis reais e vinte e quatro centavos.) quase um milhão de reais.

Mais é de se estranhar a forma na qual se encontra algumas áreas de responsabilidades da administração no município, entre elas podemos citar a mais importante; Saúde, o único centro de atendimento médico que existe em Presidente Médici, está totalmente abandonado de acordo com denúncias recebidas pelo blog. O caos está instalado, a falta de profissionais qualificados para atender a população preocupa, e o pior a escassez de medicamentos considerados essenciais.

Os únicos equipamentos que ainda existem e de alguma forma serve as pessoas estão totalmente sucateados, a falta de estrutura e a força do tempo predomina no local que á anos não é reformado. É necessário uma ação enérgica por parte do Ministério Público e demais orgãos fiscalizadores.

Seria necessário ainda que uma auditoria do DENASUS (Departamento Nacional de Auditoria do SUS ) fosse realizada no município para constatarem em loco, onde e como estão sendo aplicadas as verbas federais destinadas ao município.

Mais caos

Situação do Centro de saúde do município

Denasus aponta irregularidades em licitação de R$ 14,1 milhões na gestão de Edvaldo Júnior

O Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS) detectou irregularidades em processo licitatório milionário celebrado entre a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), e o Centro de Olhos Maranhense, localizado no Centro da capital maranhense.

A fiscalização ocorreu entre os dias 7 e 8 de agosto de 2017 após pedido do Tribunal de Contas da União.

Segundo relatório, obtido pelo Blog, em 2014, a SEMUS contratou a clínica de oftalmologia pelo valor de R$ 14.137.315,80 (quatorze milhões, cento e trinta e sete mil, trezentos e quinze reais e oitenta centavos) e aditou esse contrato por duas vezes, sendo o primeiro termo aditivo celebrado em 12 de novembro de 2015 no valor de R$ 5.709.252,48 milhões e o segundo no dia 12 de novembro de 2016 no valor de R$4.757.710,40 milhões.

A equipe de auditoria solicitou todo o processo, mas o gestor da SEMUS apresentou apenas três volumes, bem como o 1º e o 2º Termos Aditivos, gravados em mídia, a ausência do quarto volume impossibilitou a análise completa do procedimento licitatório.

Ao analisar os documentos entregues pela Secretaria de Saúde, os auditores constataram irregularidades que infringem a Lei nº 8.666/1993, entre elas estão: o procedimento da licitação está autuado, protocolado, porém algumas folhas estão rasuradas, não constam do processo cópia da publicação resumida do instrumento de contrato e de seus aditamentos na Imprensa Oficial.

Ainda segundo o DENASUS, os Termos Aditivos foram firmados entre Helena Maria Duailibe Ferreira, a então Secretária Municipal de Saúde e Tânia Regina Sampaio Logrado de Aguiar, Diretora do Centro de Olhos Maranhense Ltda.