Prefeito Mazinho Leite continua em Pedrinhas

Prefeito Mazinho Leite

O prefeito de Cândido Mendes, Mazinho Leite, ainda se encontra preso no complexo penitenciário de pedrinhas. Mazinho foi preso no meio de uma operação da polícia civil e do Ministério Público, o gestor foi pego em flagrante com várias armas ilegais e quase meio milhão em dinheiro vivo no armário de sua residência.

O gestor tenta um HC no Tribunal de Justiça do Maranhão.

Ex-prefeito de Santa Helena pode parar na cadeia por roubalheira

Ex-prefeito Dr. Lobato

Em dezembro de 2016, o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), a Polícia Civil e o Ministério Público do Maranhão (MPMA) desencadearam a primeira etapa da Operação Cooperari. O objetivo foi desarticular uma organização criminosa que desviava recursos, inclusive do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), de prefeituras municipais maranhenses, por meio da contratação de cooperativas.

Agora, a Operação Cooperari deve avançar em outros municípios maranhenses onde uma suposta organização criminosa também movimentou recursos públicos, na ordem de R$ 230 milhões, por meio da contratação da Coopmar (Cooperativa Maranhense de Trabalho e Prestação de Serviços). Santa Helena, que na ocasião, era administrado pelo prefeito Dr. Lobato, é um dos municípios citados na referida operação, que teve sua segunda fase realizada em 2018.

De acordo com o publicado no ‘blog Atual7’, “O juiz Ronaldo Maciel, titular da 1ª Vara Criminal de São Luís, privativa para processamento e julgamento de crimes cometidos por estas organizações criminosas, há cerca de duas semanas, autorizou o compartilhamento de provas obtidas e produzidas no bojo da ação penal que tem como réus quase uma dezena de supostos envolvidos em assalto aos cofres públicos”.

Ainda segundo o portal, “Pela decisão, o material da ação penal resultante das duas primeiras operações da Cooperari será compartilhado com as promotorias de Justiça de Caxias, São José de Ribamar, Matinha, Coroatá (Termo judiciário de Peritoró), Viana, São Mateus, Grajaú, Rosário, Presidente Dutra, Timon, Santa Rita, Chapadinha, São Domingos, Santa Helena e Arari, para efeitos de responsabilização em improbidade administrativa e criminal de outros supostos envolvidos no esquema”.

Nestes municípios, a investigação aponta, por meio de contratos das administrações municipais com a Coopmar, que a suposta organização criminosa também teria operado e, possivelmente, desviado e lavado dinheiro. Sendo assim, presume-se que, pelo fato do esquema ter ocorrido na  administração do  ex-prefeito de Santa Helena, Dr. Lobato, o ex-gestor pode ser acusado por improbidade e ter sua prisão decretada pela Justiça.

A força-tarefa que descobriu o esquema é formada pela CGU (Controladoria-Geral da União), Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate a Organizações Criminosas), 1a Promotoria de Justiça de Paço do Lumiar e Seccor (Superintendência Estadual de Prevenção e Combate a Corrupção).

URGENTE! Michel Temer é preso pela PF

Imagem de arquivo de junho de 2018 mostra o então presidente Michel Temer com o então ministo Moreira Franco durante assinatura de decretos que regulamentam o Código de Mineração

A Força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro prendeu, na manhã desta quinta-feira (21), Michel Temer, ex-presidente da República. Os agentes ainda tentam cumprir um mandado contra Moreira Franco, ex-ministro de Minas e Energia.

Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Desde quarta-feira (20), a Polícia Federal (PF) tentava rastrear e confirmar a localização de Temer, sem ter sucesso. Por isso, a operação prevista para as primeiras horas da manhã desta quinta-feira atrasou.

G1 ligou para a defesa de Temer, mas até as 11h25 os advogados não haviam atendido a ligação. Ainda não está claro a qual processo se referem os mandados contra Temer e Moreira Franco.

O ex-presidente Michel Temer responde a dez inquéritos. Cinco deles tramitavam no Supremo Tribunal Federal (STF), pois foram abertos à época em que o emedebista era presidente da República e foram encaminhados à primeira instância depois que ele deixou o cargo. Os outros cinco foram autorizados pelo ministro Luís Roberto Barroso em 2019, quando Temer já não tinha mais foro privilegiado. Por isso, assim que deu a autorização, o ministro enviou os inquéritos para a primeira instância.

Entre outras investigações, Temer é um dos alvos da Lava Jato do Rio. O caso, que está com o juiz Marcelo Bretas, trata das denúncias do delator José Antunes Sobrinho, dono da Engevix. O empresário disse à Polícia Federal que pagou R$ 1 milhão em propina, a pedido do coronel João Baptista Lima Filho (amigo de Temer), do ex-ministro Moreira Franco e com o conhecimento do presidente Michel Temer. A Engevix fechou um contrato em um projeto da usina de Angra 3.

Michel Temer (MDB) foi o 37º presidente da República do Brasil. Ele assumiu o cargo em 31 de agosto de 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff, e ficou até o final do mandato, encerrado em dezembro do ano passado.

Eleito vice-presidente na chapa de Dilma duas vezes consecutivas, Temer chegou a ser o coordenador político da presidente, mas os dois se distanciaram logo no começo do segundo mandato.

Formado em direito, Temer começou a carreira pública nos anos 1960, quando assumiu cargos no governo estadual de São Paulo. Ao final da ditadura, na década de 1980, foi deputado constituinte e, alguns anos depois, foi eleito deputado federal quatro vezes seguidas. Chegou a ser presidente do PMDB por 15 anos

VÍDEO! Após ser preso deputado Fábio Macedo ameaça policiais de morte

Fábio Macedo

Na noite desta sexta-feira (09), O Deputado Fábio Macedo (PDT) deputado estadual do estado do Maranhão foi  conduzido para central  flagrantes em Teresina, após lesionar duas pessoas e ameaçar policiais de morte em um evento na zona Leste de Teresina.

Um áudio que circula nas redes sociais está sendo atribuído a Fábio, onde o deputado estaria ameaçando policiais de morte.

Fábio Macedo é deputado estadual, eleito para seu primeiro mandato em 2014 e reeleito em 2018 pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT). Na Assembleia Legislativa, o parlamentar já foi presidente das Comissões de Ética e Segurança e fez parte da Mesa Diretora, onde ocupou o cargo de vice-presidente. Também teve destaque liderando a Frente parlamentar em Defesa das Rodovias do Maranhão, lutando pela reestruturação das rodovias federais que perpassam o estado.

Ouça o áudio: