PMs feridos em acidente com viatura estão bem

Os quatro policiais militares que ficaram feridos no capotamento da viatura do 8º BPM, durante perseguição a assaltantes, estão bem.

O capotamento ocorreu na madrugada desta terça-feira (18) nas proximidades do Elevado da Cohama, na Avenida Jerônimo de Albuquerque.

A guarnição estava se dirigindo para a Vila Conceição, na área do Altos do Calhau, onde assaltantes de bando estavam trocando tiros com PMs, que solicitaram reforço.

Descontrolada, a viatura se chocou contra um poste após capotar. Dois dos policiais ficaram presos às ferragens e foram retirados por equipes do Corpo de Bombeiros e Samu.

O tenente Ricardo teve fraturas no joelho e perna, além de luxação no ombro. O sargento Sílvio teve um corte na cabeça. O soldado Deça ficou com algumas escoriações e o soldado Wilck fraturou a mão.

Os quatro foram levados imediatamente ao hospital e estão fora de perigo.

Blog Gilberto Lima

Topique: Empresário é solto após pagar fiança de R$ 1,8 milhão

Nesta terça-feira (5), o juiz Agliberto Gomes Machado, da 3ª Vara Federal da Seção Judiciária do Piauí, concedeu liberdade aos empresários Lívia de Oliveira Saraiva e Luiz Carlos Magno Silva, presos durante a Operação Topique.

A liberdade dos suspeitos foi diante do pagamento de fiança. O empresário Luiz Carlos pagou R$ 1 milhão e 800 mil reais e Livia de Oliveira teve o valor estipulado em R$ 100 mil.

Segundo a argumentação do juiz, não haveria necessidade de prisão dos empresários e os suspeitos poderão responder ao processo em liberdade.

Os suspeitos são investigados por corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro em ações supostamente que envolvem fraudes em licitações em transporte escolar no estado.

Sobre a Operação

Realizada pela Polícia Federal em conjunto com o MPF, a Operação Topique investiga um esquema de fraudes em licitações no transporte escolar em prefeituras do interior e na Secretaria de Estado da Educação (Seduc) do Piauí. O valor do desvio de verbas realizado pelo esquema é estimado em R$ 120 milhões, sendo oriundos do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate) e também no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

As investigações da operação tiveram início em 2015, após uma denúncia feita por um vereador da cidade de Campo Maior. O aprofundamento das investigações ocorreu por conta de fiscalizações realizadas em municípios do interior do estado, quando se constatou que o esquema envolvia mais prefeituras do Piauí e do Maranhão, assim como contratos feitos pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc-PI).