Desembargador Joaquim Figueiredo reúne-se com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto

Na reunião, os dois chefes de Poder falaram sobre o projeto de lei que reajusta os salários de servidores

O Presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Joaquim Figueiredo, recebeu, nesta segunda-feira (16), a visita do presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado Othelino Neto.

Num diálogo institucional e cordial, os dois chefes de Poder trataram de assuntos relativos ao Projeto de Lei 018/2019 – de iniciativa do Poder Judiciário do Maranhão – que concede reajuste de 2,94% aos salários dos servidores efetivos e comissionados da Justiça Estadual – e da criação da Vara Agrária no Estado.

REAJUSTE – Desde quando enviou o projeto para apreciação do Legislativo Estadual, o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Joaquim Figueiredo, acompanha pari passu a sua tramitação, pedindo ao presidente da Assembleia, deputado Othelino Neto, e aos parlamentares estaduais, agilidade na votação da matéria.

O presidente do TJMA disse que o projeto que concede reajuste de 2,94% aos salários dos servidores é de grande importância para o Poder Judiciário, por beneficiar diretamente servidores da Justiça Estadual que, segundo ele, merecem ser valorizados pelo esforço e dedicação no desenvolvimento de suas atribuições profissionais.

“Considero justo garantir esse reajuste aos servidores da Justiça Estadual, que têm elevado o papel do Poder Judiciário do Maranhão na sua missão institucional, dando importante suporte nas demandas e garantindo um atendimento de qualidade à sociedade”, afirmou o desembargador Joaquim Figueiredo.

Antes de ser encaminhado para votação no plenário da Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei 018/2019 foi apreciado e aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, passando, também, por análise nas comissões técnicas, que reconheceram sua constitucionalidade e importância.

Enquanto desembargadores divergem, população de Primeira Cruz convive com recursos públicos saqueados

Desembargadores, José Joaquim figueiredo dos anjos e Guerreiro Junior

A “guerra” de decisões liminares que estão norteando os rumos do município de Primeira Cruz MA, tem prejudicado e muito aquela população.

As pessoas estão sendo humilhadas e nada acontece por parte do poder público e muito menos do judiciário, postos de saúde sem remédios básicos, escolas sem merendas, ruas esburacadas. O caos tomou conta do município.

O prefeito eleito George Luís foi “tirado” de forma abrupta do cargo e é notório no município que o poder aquisitivo do ex-prefeito Sérgio Ricardo de Albuquerque Bogéa, influiu e muito pois ele é que articulou todo o movimento de “golpe” contra George Luís.

Com o afastamento de George Luís, o vice-prefeito Ronilson Araújo, mais conhecido como Nilson do Cassó, assumiu o comando do município, dai começou uma verdadeira “sangria” nos cofres de Primeira Cruz, para se ter ideia, só em “quentinhas” Nilson do Cassó, estimulou gastar quase um milhão de reais com recursos da educação e saúde, com alugueis de lanchas e transporte escolar, seriam quase dois milhões escoados do município para empresas ligadas ao ex-prefeito Sérgio Ricardo.

Os altíssimos contratos firmados na gestão de Cassó, com empresas fornecedoras de medicamentos também é de chamar atenção e deixar qualquer prefeito de capital, de boca aberta, pois são altíssimos.

Hoje (16) o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, José Joaquim figueiredo, cassou a decisão do desembargador Guerreiro Junior, que ordenava o retorno de George Luís, ao comando do município. Quem perde com essa “guerra” de liminares é a população que como já disse antes, não conta com o básico. Enquanto os desembargadores do TJ-MA divergem de decisões a população do município é penalizada e obrigada a conviver com uma verdadeira “sangria” no erário público municipal.

As suspeitas de desvios federais na gestão Cassó, precisa sair do âmbito estadual e ser vista no âmbito federal, é caso de Policia Federal, amigos.