Saúde do Maranhão nas vésperas de um escândalo nacional…

Agente público Marcos Grande

O blog do Werbeth Saraiva, verificou junto a uma fonte em órgãos fiscalizadores federais, que a empresa maranhense de serviços hospitalares é alvo de diversas denúncias na Polícia Federal, CGU e MPF.

De acordo com o que foi levantado e apurado por este blog, são inúmeros os indícios de corrupção com dinheiro público da saúde que serviria para melhorar a vida dos maranhenses.

Entre as irregularidades já apontadas foi verificado um núcleo de montagem de processos licitatórios dentro da empresa, para se ter ideia diversos institutos suspeitos começaram a operar e a ganhar milhões em contratos na saúde desde o começo do ano de 2021.

De acordo com o apurado por este blog, a maioria dos institutos mantém estreita ligação com políticos do Maranhão entre eles, secretários de Estado que buscam eleição em 2022.

Além do escândalo de institutos de fachada e que só existem no nome, foi denunciado ainda o pagamento milionário a advogados com dinheiro da saúde.

No mês de Novembro de 2021, o presidente da EMSERH, Marcos Grande, autorizou a contratação de um escritório de advocacia por exatos novecentos mil reais, o caso também foi denunciado como conluio entre agentes públicos e os responsáveis pela sociedade empresarial.

Outros escândalos que pairam sobre o uso do dinheiro da saúde do Maranhão é na contratação de empresas dos chamados cabos eleitorais, como por exemplo a empresa de uma irmã de um vereador do município de São José de Ribamar, que vem abocanhando milhões com serviços terceirizados em hospitais do Estado.

A teia de corrupção vai muito além do que se imaginou que fosse na gestão do ex-secretário Ricardo Murad.

Aguardem!!!

ESCÂNDALO! Construtora Amorim Coutinho transforma sonhos de clientes em pesadelo

A construtora Amorim Coutinho, responsável pelo empreendimento Cidade Verde 2, em Paço do Lumiar, vem causando sérios transtornos aos clientes após descumprir o cronograma de entrega das casas.

O prazo dos contratos para entrega dos imóveis para alguns clientes vencia em Julho de 2017 e para outros em Dezembro de 2017, no entanto, a construtora enviou um e-mail informando que repactuou os prazos com a Caixa, dividindo assim a entrega dos imóveis em 3 etapas.

A primeira etapa, conforme estabelecido, teria ficado para Fevereiro (etapa 6), Abril (etapa 7) e Maio ( etapa 8) de 2018. Acontece, que mesmo após estender o prazo, a empresa atrasou tudo novamente. Algumas casas da etapa 6 foram entregues em mês de março depois de muita pressão dos compradores, e algumas da etapa 7 foram entregues em Abril. Porém, em maio, nenhuma casa da etapa 8 foi entregue.

A empresa simplesmente adiou a entrega pela terceira vez, enviando um e-mail dizendo que repactuaram com a Caixa novamente sem dá qualquer justificativa plausível para o adiamento. Depois de várias reivindicações de compradores, a construtora explicou que só poderia entregar a etapa 8 em Agosto de 2018, descumprindo assim, o contrato que permitia um atraso na obra de no máximo 180 dias para os contratos de dezembro de 2017.

Agora, após de ter descumprido o contrato e adiado a entrega das casas por 3 vezes de forma ilegal,  a empresa tenta às pressas, fazer uma especie de ‘reforma’ nas casas que, segundo denuncias de clientes, apresentam problemas como mofos e infiltrações.

Na tentativa de justificar as ‘cagadas’ na construção do empreendimento imobiliário, a construtora tenta colocar parte da culpa na BRK ambiental – que teria atrasado na construção de uma estação elevatória de tratamento de esgoto e, por esse motivo, não conseguiu entregar as casas da etapa 8. A empresa tenta colocar culpa ainda, na Companhia Energética do Maranhão (Cemar).

Depois de vários meses de transtorno, os clientes informaram ao titular do blog que as desculpas usadas pela empreiteira já não convencem e, caso não apresente mais clareza quanto ao andamento para entrega das casas, irão recorrer a Justiça.

Os clientes informaram ainda, que são obrigados a pagar uma taxa mensal mesmo diante de toda falta de respeito e irresponsabilidade por parte da empresa.

OBRAS PELA METADE

De acordo com denúncias dos moradores, casas da etapa 8 apresentam várias inconformidades. Entre elas, está a falta de pintura, falta de reparos na parte externa do imóvel,  além da falta de asfalto em algumas quadras.

CLIENTES SE REVOLTAM

Clientes afirmam que quando ligam para o escritório da construtora,  recebem apenas informações mentirosas, e que assim que tentam ligar novamente, não são sequer atendidos. Muitos se dizendo revoltados com a situação, e que a empresa conseguiu transformar a realização de um sonho em um constante pesadelo.

LEIA TAMBÉM: Bomba, Bomba e Bomba! MP abre inquérito para apurar irregularidades em obras da Amorim Coutinho

Veja abaixo e-mail enviados os clientes: