Coroatá é o segundo município que menos vacinou no Maranhão

Mesmo já tendo recebido 1.754 doses, a gestão de Luis da Amovelar Filho só aplicou até agora 503 doses da vacina contra a Covid-19. As informações são da Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS). Já tem mais de dez dias que o Coroatá recebeu a segunda remessa da vacina, e isso significa que ou o Município não está vacinando o público prioritário ou está deixando de informar sobre a aplicação das doses.

Nesta fase, fazem parte do público prioritário profissionais de saúde, pacientes dialíticos e oncológicos, idosos institucionalizados, deficientes institucionalizados e indígenas. A distribuição das vacinas é feita proporcional à população do público-alvo específico e as Prefeituras devem gerenciar as doses para que o processo de imunização siga o ritmo correto.

Não seria a primeira vez que a gestão de Luis Mendes Ferreira Filho falta com o respeito no enfrentamento à pandemia. No ano passado, o prefeito de Coroatá, adquiriu produtos e equipamentos superfaturados em mais de 1.000% em contrato para a aquisição de insumos médico-hospitalares para enfrentamento da Covid-19, reveja aqui.

Bolsonaro diz que vai perguntar para PF sobre recursos do COVID destinados ao MA

O presidente Jair Bolsonaro decidiu disparar novos ataques contra o governo do Maranhão, conduzido por Flávio Dino (PCdoB), durante live presidencial realizada nesta quinta-feira (11). Ele chegou a ameaçar usar a Polícia Federal contra a Secretaria Estadual de Saúde, comandada por Carlos Lula.

“O Maranhão é o estado com menor renda per capta do Brasil. Não é à toa que é governado pelo Partido Comunista do Brasil. Onde o comunismo cresce é exatamente em cima da miséria”, disse o presidente durante live. “Nos estados de renda maior, quase não tem deputado desse partido”, completou. O presidente criticava um comentário contra ele feito por Carlos Lula, que também é presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

“Nós fizemos… Foi quase R$ 1 bilhão… Ou melhor R$ 300 milhões, especificamente, para leitos de UTI no estado do Maranhão. Cadê os leitos de UTI? Sumiu tudo? O secretário disse que não estamos ajudando. Pra onde foi essa grana? Acho que vou perguntar para a Polícia Federal”, declarou.

Bolsonaro disse hoje (11), em Alcântara, que o Estado não tem motivos para reclamar da falta de leitos, já que o governo federal teria destinado R$ 109 milhões exclusivos para a implantação dos leitos no Maranhão.

“No ano passado, o governo federal dispensou R$ 18 bilhões para o estado do Maranhão. Desses R$ 18 bilhões, R$ 1,3 bilhão foi para Saúde. E R$ 190 milhões foram exclusivamente para leitos de UTI. Então não justifica qualquer reclamação de não haver leitos de UTI para atender os irmãos maranhenses“, declarou Bolsonaro, em cerimônia de entrega de títulos de propriedade.

O governador Flávio Dino rebateu, logo em seguida, as afirmações de Bolsonaro.

“1. Habilitar leitos de UTI no SUS não é favor, é obrigação legal. 2. Ação judicial que entramos se refere ao exercício de 2021, não de 2020. A pandemia não acabou, infelizmente. 3. O governo do Estado não recebeu o montante que Bolsonaro mencionou“, esclareceu Dino.

O governador Flávio Dino ajuizou ontem uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para que o governo federal reative o pagamento de leitos de UTI para atendimento de covid-19.

Na ação protocolada junto ao STF, o Maranhão relatou que os leitos de UTI financiados pelo Ministério da Saúde se reduziram drasticamente. Até dezembro de 2020, 12.003 estavam habilitados pelo governo federal. Em fevereiro, essa quantidade caiu para 3.187, apesar do estado ter pedido habilitação de centenas de novos leitos.

Joonh Cutrim

Dona de clínica de estética vacina no “Grupo de Ricos” da Prefeitura de São Luís

A empresária e médica Marina Reis Ribeiro pode ter furado a fila de prioridade para a vacinação contra a covid-19. Em publicação nas suas redes sociais, a empresária do ramo de estética comemora a vacinação e conta que nos últimos meses tem cumprido rigorosamente o isolamento social por conta do nascimento de sua filha, ou seja, está fora da linha de frente do combate ao novo coronavírus.

“Fiz ( e ainda faço) o isolamento social ao ‘pé da letra’! Foram meses sem sair de casa. Ainda não tive covid! Há 10 meses não vejo meus amigos e alguns familiares”, testemunha Marina Reis Ribeiro, que é proprietária da Clínica Hosana Reis. A médica, inscrita no CRM 1099, não consta como servidora pública da Prefeitura de São Luís, até a presente data e segundo os próprios dados de transparência da Prefeitura.

O blog do Werberth Saraiva adiantou que os médicos, que estão ou não na linha de frente na pandemia, iriam receber o imunizante do vírus. Nesta sexta-feira, 22, seriam os médicos com mais de 60 anos, enquanto na próxima sexta-feira (29) todos os demais médicos. A Prefeitura de São Luís espera a formalização de uma denúncia para apurar as supostas irregularidades, o que aponta que não há, neste momento, uma auditoria para apurar fraudes na fila.

A Prefeitura de São Luís poderia, em respeito à probidade e transparência pública, divulgar nomes, ou mesmo, o universo (percentagem) de vacinados nesta primeira etapa. E dividir por funções: porteiros, zeladores, maqueiros, técnicos de enfermagem, dentistas, médicos e administrativos das unidades de saúde. Até o fim desta quinta-feira (21), cerca de 2,5 mil pessoas haviam sido vacinadas. É preciso destrinchar os grupos e apurar se existe, como tem constatado o blog do Werberth Saraiva, o ‘Grupo de Ricos’.

PF já trabalha com casos de desvios de recursos do combate ao COVID-19 no MA

São inúmeros os prefeitos do Maranhão que estão roubando o dinheiro público que foi destinado ao combate do novo Covid-19 nos municípios.

Já existe várias denúncias de desvios dos recursos por parte de gestores, na sede da Polícia Federal do Maranhão.

Para se ter uma ideia, até máscaras e luvas estão sendo superfaturadas, por gestores, que nem um compromisso tem com a população.

PF neles!!!

O que realmente é preciso fazer para tentar desafogar as redes de saúde de responsabilidade do estado não está sendo feito pelos gestores.