VÍDEO: carro do PAC é flagrado trabalhando em posto de combustível do prefeito de Vargem Grande, no MA

Moradores do Povoado Macaúba denunciam que o prefeito Carlinhos Barros está utilizando um caminhão do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC na obra da construção de um posto de combustível de sua propriedade.

O posto está sendo construído entre os municípios de Vargem Grande e Coroatá. A falta de coerção por parte dos órgãos responsáveis leva alguns gestores a acreditar que podem fazer o uso de equipamentos do município da forma que bem entender.

O gestor pode ser acionado por improbidade quando desvia a funcionalidade dos veículos da prefeitura para trabalharem em obra particular.

O MP precisa se posicionar.

ASSISTA;

Vargem Grande: Entre 2017 e 2018, filho de vereador aliado de Carlinhos Barros faturou mais de R$ 8,2 milhões em contratos no município

Prefeito Carlinhos Barros e seu amigo empresário

A relação entre a Primos Empreendimentos Ltda e a gestão do prefeito Carlinhos Barros não é de agora. O empresário Tiago Trinta e Trabulsi – que é filho do líder do governo na Câmara Municipal, o vereador Farid Trabulsi – faturou nos anos de 2017 e 2018 a cifra milionária de R$ 8.247.764,07.

São somente seis contratos com uma média de R$ 1.374.327,35 em cada contrato.  Foram três contratos com a Secretaria Municipal de Obras e Transporte de Vargem Grande, um contrato com o Fundo Municipal de Turismo de Vargem Grande, um contrato com Secretaria Municipal de Educação de Vargem Grande e um contrato com a Manutenção e Desenvolvimento do Ensino de Vargem Grande.

O blog do WS já havia revelado a tomada de preço que a empresa Primos Empreendimentos tinha ganhado somando quase R$ 40 milhões. Em qualquer lugar do mundo a relação política entre o prefeito e o líder do governo poderia ser o motivo da relação dos negócios entre a empresa e a prefeitura. Mas em Vargem Grande os aliados de Carlinhos Barros e do líder do governo juram que é só coincidência. Dá pra acreditar?

 

ESCÂNDALO! Filho de vereador aliado do prefeito é detentor de milhões em contrato na prefeitura de Vargem Grande

Em que lugar do Brasil a relação familiar entre um empresário e o líder do governo de uma prefeitura pode ser motivo para a empresa ganhar licitação em que só um contrato a soma das cifras chegam a quase R$ 40 milhões?

Em Vargem Grande (MA) essa relação suspeita tem acontecido nas barbas do Tribunal de Contas do Estado e do Ministério Público do Maranhão. O empresário Tiago Trinta e Trabulsi, sócio-administrador da Primos Empreendimentos e Engenharia LTDA, é nada menos que filho do vereador Farid Trabulsi, líder do prefeito de Vargem Grande, Carlinhos Barros, na Câmara Municipal.

No Diário Oficial do dia 19 de setembro de 2019 o processo administrativo 0101.04470.2019 classifica a empresa do filho do vereador Farid Trabulsi como vencedora do registro de preços para a pavimentação e manutenção em vias no Município de Vargem Grande. O valor total foi de R$ 39.337.769,83 (trinta e nove milhões, trezentos e trinta e sete mil e setecentos e sessenta e nove reais e oitenta e três centavos).

Nesta transação não tem como excluir o suspeito vínculo familiar existente entre o proprietário e o líder do governo é um indicativo que as licitações foram supostamente fraudadas havendo possíveis direcionamento, superfaturamento e demais irregularidades.

Esse não é o único contrato suspeito entre a empresa do filho de Farid Trabulsi e a prefeitura de Vargem Grande. Há outros indicativos de direcionamento e favorecimentos. Aos olhos nus é possível imaginar que ser líder do governo em Vargem Grande é bastante lucrativo.

Com a palavra os órgãos de controle….

Pesquisa aponta Carlinhos Barros com quase 60% de rejeição em Vargem Grande

Prefeito de Vargem Grande, Carlinhos Barros

Pesquisa realizada em Vargem Grande mostra que o atual gestor do município amarga quase 60% de rejeição.

Carlinhos Barros (PCdoB) é prefeito de Vargem Grande, em seu primeiro mandato, Carlinhos tratou de lotear a gestão com familiares e amigos a população é obrigada a conviver com um sistema imoral de nepotismo instalado na administração pública municipal.

Talvez pelas razoes elencadas o gestor é o mais rejeitado entre os possíveis pré-candidatos a prefeitura do município em 2020.

O blog do Werbeth Saraiva teve acesso a recente pesquisa realizada no município que constatou a rejeição do gestor e as pouquíssimas chances de reeleição. Breve divulgarei mais detalhes.

Carlinhos Barros contrata empresa de São Luís por R$ 1,6 milhão

A prefeitura de Vargem Grande administrada pelo prefeito Carlinhos Barros contratou a empresa M ATHAN & CIA LTDA ME para Conclusão da Construção da Praça da Juventude na Sede do Município de Vargem Grande.

O que mais impressiona no contrato é o valor exorbitante que custará a conclusão da praça, serão exatos; R$ 1.620.967,16 (um milhão seiscentos e vinte mil novecentos e sessenta e sete reais dezesseis centavos.)

O município de Vargem Grande administrado por Carlinhos Barros, vem sofrendo com o desgoverno que está sendo a gestão. São inúmeros os indícios de corrupção no governo de Barros inclusive suspeitas de processos licitatórios montados. Vale ressaltar que Vargem Grande terá um dos carnavais mais caros do Maranhão, já a saúde do município e a educação está na “UTI.” O Ministério Público tem acompanhado “calado”.

No caso da licitação acima citada a empresa M ATHAN & CIA LTDA  de propriedade dos sócios MICHAEL ATHAN e SILVANIA ROSA MENDONCA ATHAN, é uma espécie de faz tudo nas atividades descritas no contrato razão social, tem desde obras de urbanização até fabricação de artefatos de tapeçaria. É mais um caso para o MPF investigar.

Veja;

TRE julga hoje recurso que pede a cassação de Carlinhos Barros

Está incluído para julgamento, na pauta desta segunda-feira 12, recurso que pede a cassação do registro de candidatura e diploma, e a inelegibilidade por oito anos, do prefeito de Vargem Grande, José Carlos de Oliveira Barros, o Carlinhos Barros (PCdoB), por suposto abuso de poder econômico, configurando possível capitação ilícita de sufrágio, a famosa compra de votos.

De acordo com os autos, o comunista é alvo de uma Ação de Investigação Judicial (AIJE) que o acusa de farta e indiscriminada distribuição de gasolina em postos de combustível de sua propriedade, para participação de eleitores em carreatas e comícios, no período de campanha eleitoral de 2016, quando disputou e consagrou-se vitorioso para o cargo. Pela suposta traça eleitoral, o vice-prefeito do município, Jorge Luis de Oliveira Fortes, o Jorge Fortes (PCdoB), também é alvo da ação.

O recurso chegou à Corte Eleitoral após o juiz de primeira instância Paulo de Assis Ribeiro, em conformidade com o parecer do Ministério Público Eleitoral (MPE), haver julgado improcedente os pedidos e rejeitado os embargos da coligação Vargem Grande pela Igualdade, formada pelos partidos PMDB, PSL, PT, PSDC e PMN.

Para emitir o parecer contrário à cassação de Carlinhos Barros e Jorge Fortes, o Parqueteleitoral precisou substituir o promotor designado para analisar o caso em pelo menos duas oportunidades, sendo a primeira por alegado foro íntimo e a segunda ocasião em razão de saída para gozo de férias.

Um dos advogados do prefeito de Vargem Grande é Carlos Seabra Coelho, sobrinho do desembargador Cleones Carvalho Cunha, ex-presidente do Tribunal de Justiça estadual e atual corregedor do TRE do Maranhão.

O novo relator é o juiz federal Wellington Cláudio Pinho de Castro, que substituiu na composição Ricardo Felipe Rodrigues Macieira, cujo biênio encerrou no final de março último.

Atual7

VARGEM GRANDE – MPMA aciona Município por reestruturação da Guarda Municipal

A Promotoria de Justiça de Vargem Grande ingressou, nesta terça-feira, 11, com uma Ação Civil Pública contra o Município, na qual requer a estruturação da Guarda Municipal. De acordo com representação do Sindicato dos Guardas Municipais do Estado do Maranhão (Sigmema), o Município de Vargem Grande não se adequou à lei n° 13.022/2014, que dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais.

As investigações realizadas pelo Ministério Público verificaram uma série de inconsistências entre a realidade enfrentada pela Guarda Municipal de Vargem Grande e o que dispõe a lei federal. Em termos de condições de trabalho, por exemplo, o prédio que abriga a corporação não possui alojamentos adequados, já que não há beliches para os plantonistas, ventiladores e armários, além de frequentemente faltarem itens de consumo. Também não há um alojamento feminino na sede da Guarda.

Além disso, não há viatura própria e nem equipamentos de proteção individual para os guardas municipais, a exemplo de capacetes e rádios de comunicação.

“Diante de toda a falta de estrutura logística, física e funcional da Guarda Municipal de Vargem Grande, constata-se a impossibilidade de desempenho, a contento, de sua competência na proteção de bens, serviços, logradouros públicos municipais e instalações do Município”, observa o promotor de justiça Benedito Coroba.

O Ministério Público requer que o Município de Vargem Grande seja condenado a fazer a reestruturação física do prédio da Guarda Municipal, dotando-o de banheiros feminino e masculino, com vasos sanitários, pias e chuveiros novos; alojamentos feminino e masculino, com beliches e ventiladores; cozinha com fogão e botijão de gás; além da pintura e reforma, interna e externa, do prédio, com a devida caracterização nas cores da corporação.

Também foi pedido que a Justiça determine à Prefeitura que forneça, anualmente, fardamentos e equipamentos de proteção individual aos guardas, além de dotar a corporação de uma viatura devidamente caracterizada com a marca da Guarda Municipal.

Em caso de descumprimento da decisão, a Promotoria de Justiça de Vargem Grande pede que seja aplicada multa diária de R$ 5 mil.