Escândalo! Ex-companheiro de cela e laranja do agiota Pacovan fatura quase R$ 3 milhões em Miranda do Norte

Eduardo Belfor e Júnior Lourenço

No ano de 2019 a prefeitura de Miranda do Norte administrada pelo prefeito Eduardo Belfort (PSDB) resolveu investir pesado na compra de combustíveis e lubrificantes.

Eduardo Belfort contratou a empresa “Posto Joyce Iv Eireli” localizada em Miranda Do Norte, para fornecer os lubrificantes e combustíveis, apenas no ano de 2019 a empresa deve lucrar R$ 2.866,256 (Dois milhões oitocentos e sessenta e seis mil duzentos e cinquenta e seis reais) com o contrato.

No papel o posto de combustível pertence a Adriano Almeida Sotero mais apenas no papel, pois o posto pertence na verdade ao agiota Pacovan, que inclusive já foi companheiro de cela do laranja, ambos foram alvos de prisão após desdobramento da operação Jenga.

Tudo leva a crer que o contrato firmado entre o posto de combustível e a prefeitura de Miranda do Norte é apenas parcelas de pagamentos aos empréstimos feitos por Pacovan ao deputado Júnior Lourenço.

Miranda do Norte é um município maranhense controlado pelo deputado federal Junior Lourenço (PL) que foi prefeito do município por dois mandatos e conseguiu eleger seu sucessor Eduardo Belfort, que segue exatamente a cartilha de Lourenço, entre tantos escândalos que o mesmo carrega com sigo é investigado em esquema de agiotagem e conhecido no Maranhão e até em Brasilia como “rei das emendas”.

De acordo com denúncias Júnior Lourenço bancou boa parte da campanha de Eduardo Belfort, com dinheiro de agiotagem e agora eleito deputado federal também é enrolado com o esquema e figura como amigo do maior agiota do estado do Maranhão esse que é conhecido como Pacovan, preso diversas vezes por suspeita de agiotagem e lavagem de dinheiro. O futuro de Eduardo Belfort em Miranda do Norte deve não ser outro se não a cadeia, com várias investigações do Ministério Público Federal e de demais órgãos de controle em curso, “negão” pode parar atrás das grades.

Outro Lado

A respeito dos contratos firmados com o posto de combustível do “laranja” do agiota Pacovan o prefeito Eduardo Belfort não retornou o contato do blog até o momento.

Vem mais bomba ai, é só aguardar

Magistrado decide diminuir medidas cautelares de Eduardo DP

Eduardo DP

O juiz de Direito Marcello Frazão Pereira, da 1ª Vara Criminal de Bacabal, pronunciou na quarta-feira (29), a decisão  de diminuir as medidas cautelares a favor do empresário  Eduardo José Barros Costa.

Eduardo José Barros Costa, o Eduardo DP ou Imperador, foi preso durante Operação da Polícia Civil ” El Berite II”,deflagrada em 2015 contra crimes de agiotagem e desvio de verbas públicas no Maranhão.

Na decisão, o magistrado alegou que as medidas contra o agiota Eduardo DP já perduram há mais de quatro anos, e que necessita viajar constantemente para exercer suas atividades laborais em outros estados. O  agiota teve substituída pelo juiz a exigência de autorização judicial para ausentar-se da comarca, pela proibição de ausentar-se por mais de 20 dias da comarca onde reside sem autorização judicial.

Também foi substituída a exigência de autorização judicial para comparecimento periódico ao juízo 1ª Vara Criminal de Bacabal, pelo comparecimento mensal à comarca de Dom Pedro, por questão de processo criminal que tramita naquela comarca, também por agiotagem e desvio de verbas públicas, tendo em vista que ele já comparece mensalmente àquele juízo para justificar e informar suas atividades.

As demais medidas cautelares impostas contra Eduardo DP, como não manter contato com os demais réus e testemunhas de acusação da El Berite II, permanecem inalteradas. Caso haja descumprimento de qualquer uma delas, ressalta o magistrado na decisão, poderá ensejar a decretação da prisão preventiva do agiota.

Embora tenha sido preso por diversas vezes pela Polícia Civil do Maranhão pelos crimes apontados pela El Berite II e outras operações, Eduardo DP continua fechando novos contratos e mantendo anteriores com a Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra), na gestão de Flávio Dino (PCdoB). Segundo o ex chefe da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), o delegado Tiago Bardal, além desses contratos, o agiota ganhou também blindagem  do governo comunista contra investigações envolvendo a máfia de agiotagem no Maranhão.

Fonte: Atual 7