Professora Rosiane Costa foi morta por causa de dívida

Rosiane Costa,Foto: Sistema Mirante

A Polícia Civil  apresentou durante coletiva realizada na Sede da Polícia Civil na manhã desta quarta-feira (22), o agente penitenciário Márcio Jorge Lago.

Segundo a delegada Viviane Fontenele, da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa(SHPP), Márcio  confessou  que matou a professora  Rosiane Costa.

Durante o depoimento, Márcio Jorge disse que  a estrangulou, jogou o corpo no carro e resolveu se desfazer do corpo na Universidade Federal do Maranhão (UFMA).O suspeito do crime explicou que se desfez do corpo na UFMA porque estava no caminho indo buscar a esposa na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da área Itaqui-Bacanga.

 Segundo a delegada, as imagens do sistema interno de segurança  da UFMA foram fundamentais para identificação, além da confissão e dos  elementos utilizados na investigação.

Carro usado no crime.

“As imagens da UFMA foram fundamentais porque a partir delas nós conseguimos identificar o veículo que estava envolvido no crime. Verificamos também que o mesmo carro entrou no estacionamento do supermercado alguns minutos depois do crime para fazer compras utilizando o cartão de débito da vítima e aproveitou também para realizar um saque no Terminal de Auto Atendimento utilizando outro cartão da vítima”, explicou.

Ainda de acordo com a delegada, Márcio Jorge tinha um caso com Rosiane Costa há dois anos, mas tinha uma dívida que não tinha conseguido pagar. Segundo a polícia, Márcio Jorge Lago Marques será indiciado por feminicídio e motivo torpe.

“Eles mantinham contato por causa da dívida, onde ela fazia cobranças. No final de semana, ela fez uma cobrança mais contundente, dizendo que não iria mais esperar. Depois disso, ele resolveu insistir para que ela fosse até a residência dele para que conversassem, lá ele a seduziu para terem uma relação amorosa. A intenção dele era fazê-la desistir de cobrar essa dívida e como não conseguiu através desse meio, ele resolveu matá-la para se livrar da dívida”, afirmou a delegada.

FONTE: G1 MA

Deixe uma resposta