Policiais Militares são presos durante operação do GRECO

 A Polícia Civil do Estado do Piauí através do Grupo de Repressão ao Crime Organizado(GRECO),prendeu um grupo especializado em roubo de mercadorias.

Durante a 2ª fase da Operação Cargas deflagrada nesta quinta-feira (30),foram presos dois policiais militares que são apontados como integrantes da quadrilha que praticavam  assaltos no Piauí e Maranhão.

Os presos foram  identificados como Wanderley Rodrigues da Silva, cabo da PM; o genitor de Wanderley, que não teve a identidade divulgada; Bruno Costa de Oliveira, soldado da PM; Josué Oliveira Santos, funcionário de uma transportadora em Teresina; e Adolfo Cícero de Alencar Neto.

De acordo com informações policiais, desde o fim do ano passado houve grande registro  de crimes especializado em  roubo de mercadorias. Em dezembro, cerca de 100 TVs e celulares foram recuperados após terem sido levados do depósito de uma loja. Em janeiro deste ano, o gerente de uma loja de departamento em Teresina foi sequestrado e levado a um depósito para liberar celulares e TVs. Já no mês de  fevereiro, o Greco apreendeu uma carga de café e leite em  avaliada R$ 1 milhão.

Ainda de acordo a polícia,os policiais militares presos atuavam na “linha de frente nos assaltos” e recebiam cerca de 50% do valor roubado. Durante a coletiva de imprensa, o delegado – geral da Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko, informou que no momento da abordagem, o cabo Wanderley ameaçou os policiais.Na operação foram apreendidas três armas de fogo, dinheiro, entre outros objetos.

“Os PMs entravam realizando as abordagens e aproveitavam que podiam utilizar arma de fogo para passar despercebido por abordagens policiais, se utilizando dessa condição para praticar os assaltos. Eles também realocavam o material em depósitos específicos. Após isso, comercializavam a carga para terceiros e saíam distribuindo todo o dinheiro”, disse o delegado Gustavo Jung, presidente do inquérito.

“As investigações constataram que W. Silva e Bruno organizavam e escutavam roubos de cargas nas regiões de Caxias e Santa Inês no Maranhão. Constatou-se que Josué, funcionário de transportadora, passava informações privilegiadas para Abimael (preso em janeiro deste ano) e este indicava para seus comparsas qual caminhão ou empresa assaltar. Já o Adolfo ajudava na logística dos roubos”, completa o coordenador do Greco, delegado Tales Gomes.

Gustavo Jung acrescenta que W. Silva também teria tido participação no sumiço de R$ 300 mil do Banco do Nordeste, em dezembro de 2017. Em 2018, o PM se envolveu em uma briga e acabou disparando contra o cantor Saulo do Gado.

“Cada um tinha uma função específica. Um era responsável pelas informações dentro da transportadora que repassava para quem ia fazer as abordagens e estes entregavam o material para quem aguardava no depósito. Aos poucos, o material ia sendo retirado em carros menores para não serem percebidos. De fato, a organização criminosa está bem configurada”, disse Jung.

Os presos serão indiciados por roubo e organização criminosa.

 

 

Fonte:Blog Gilberto Lima

 

Deixe uma resposta