Alunos ficam sem merenda escolar e Prefeito de Tutóia entra na mira do Ministério Público

Após denúncias sobre a falta de merenda nas escolas da rede pública de Tutóia, o Ministério Público do Maranhão solicitou ao Prefeito Diringa (PDT) que regularize o fornecimento de merenda escolar. Segundo o documento, tanto o prefeito como a secretária de Educação do município, Daisy Filgueiras, tem até 72 horas para tomar providências.

A recomendação é assinada pela promotora de Justiça Samara Cristina Mesquita e partiu de uma denúncia realizada pelo vereador Dr. Fernando Amaral (Cidadania), que informou ser insuficiente a merenda disponível nas unidades de ensino.

Além disso, na semana passada, o MPMA realizou inspeção e constatou o descaso. “Os alunos têm a partir de 6 anos de idade e não aguentam ficar com fome até as 11h30 e estão sendo liberados às 10h30. No dia da inspeção, apenas o Centro Educacional Presidente Castelo Branco ofereceu merenda, sendo que era um mingau de milho, sem açúcar, e em quantidade limitada para atender apenas os alunos menores e que não têm condição de levar alimentação de casa”, informa o relatório da inspeção.

De acordo com dados do Ministério da Educação, o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) destinou à gestão do Prefeito Diringa um total de R$ 610 mil, aproximadamente, para o custeio da merenda dos alunos, entre fevereiro e junho deste ano.

Ainda de acordo com o MP em Tutóia, Diringa e a secretária de Educação têm cinco dias úteis para comprovar as ações solicitadas.

Deixe uma resposta