Empresa estaria sendo “lavanderia” de dinheiro público

 

Empresa que faturou R$ 16 milhões de treze prefeituras fica em um sobrado de Colinas

Investigações sobre corrupção quase sempre envolvem empresas fantasmas. Elas são notícia com uma frequência espantosa. Mas quando vamos procurar por elas… Com endereços falsos, em geral sem os funcionários e equipamentos necessários, as firmas de fachada – ou fantasmas – estão por todo o Maranhão.

Um exemplo no mínimo desconcertante acontece na cidade maranhense de Colinas. É lá que, no papel, fica a J. C. Construção e Imobiliária Ltda, empresa de engenharia civil que mais recebeu R$ 16.815.583,67 por prestação de serviços em treze municípios. Uma das cidades é Parnamara com contratos de R$ 2.239.056,60.

No endereço registrado na Receita e na Junta Comercial, consta na verdade um sobrado, localizado na Avenida Coronel Raimundo Moreira Lima, nº 40, no KM 04, da rodovia MA 132, no bairro Tamboril, em Colinas.

O primeiro fato estranho é que o imóvel estaria fechado, conforme denúncia do professor Jacobe Almeida, que mesmo sem mandato, tem tido uma atuação maior do que qualquer vereador parnaramense na fiscalização dos atos da gestão do prefeito Raimundo Silva Rodrigues da Silveira (PROS).

Mais estranho ainda é que a firma que atuaria em diversas áreas (pelo menos no papel, porque na prática não existem) não teria funcionários e equipamentos.

Considerado um fiscal do povo, Jacobe faz mais pelo povo do que um vereador

necessários, para atender a demanda dos municípios onde foi contratada para prestar serviços.

Na maioria dos contratos, a JC fornece locação de mão de obra de serviços temporários para atender as necessidades das prefeituras. Além disso, ela também foi contratada para prestação de serviços de capina e limpeza; locação de maquinas; fornecimento de transporte escolar; aluguel de veículos e até locação de imóveis.

A empresa não tem autorização da Antt (Agência Nacional de Transportes Terrestres) para explorar o transporte escolar e muito menos locação de veículos. A JC tem um capital social de R$ 1 milhão de reais e tem em seu quadro societário o empresário Jânio Célio de Sousa e Jair Sousa. A firma venceu 37 das 48 licitações que participou e perdeu apenas 11.

 

Ata destaca que empresa não apresentou certidão de idoneidade, mas mesmo assim foi contratada

CONTRATOS DA JC EM NÚMEROS

MUNICÍPIO/VALOR

Aldeias Altas / R$ 696.000,00

Bacabal / R$ 1.257.200,00

Barão de Grajaú / R$ 662.827,45

Buriti Bravo / R$ 1.625.574,00

Governador Eugênio Barros / R$ 281.237,20

Mirador / R$ 2.831.140,25

Olho d’Água das Cunhãs / R$ 262.773,00

Parnarama / R$ 2.239.056,60

Porto Franco / R$ 487.764,20

Presidente Dutra / R$ 658.777,56

São Domingos do Maranhão / R$ 2.144.356,91

São João dos Patos / R$ 3.138.250,10

Tasso Fragoso / R$ 530.626,40

Total…………………. R$ 16.815.583,67.

Deixe uma resposta