Justiça mantém prisão de três investigados por hackear celular de Moro e outras autoridades

Foto: Reprodução/TV Globo

O juiz da 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, Vallisney de Souza Oliveira, decidiu nesta terça-feira (30) manter a prisão de três dos quatro investigados por envolvimento na invasão de celulares de autoridades do país.

Gustavo Santos, Suelen Priscilla de Oliveira e Danilo Marques vão continuar detidos até quinta-feira (25), quando se encerra o prazo da prisão temporária. O juiz ainda vai decidir o que acontecerá com Walter Delgatti Neto, conhecido como Vermelho.

A decisão do magistrado aconteceu após audiência de custódia para ouvir os presos na Operação Spoofing, deflagrada na última terça-feira (23). A operação ocorreu nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto e prendeu : Gustavo Santos, Suelen Priscilla de Oliveira, Danilo Marques e Walter Delgatti Neto. Todos tiveram prisão a provisória renovada na sexta-feira (26).

O nome da operação é uma referência à uma “falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é”, segundo a definição da Polícia Federal (PF).

A investigação começou após a divulgação de trocas de mensagens atribuídas ao então juiz federal Sergio Moro e ao coordenador da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, por meio do aplicativo Telegram.

Deixe uma resposta