Na mira da PF e da justiça eleitoral Magrado Barros “manobra” de todas as formas

Em Viana, Magrado responde a uma AIME – Ação de Impugnação de Mandato Eletivo, prevista na Constituição Federal, processo 77.2017.6.10000, cujo objetivo é impugnar o mandato obtido com abuso de poder econômico, corrupção ou fraude..

Magrado Barros na mira da PF 

Magrado está sendo acossado por uma severa investigação da Polícia Federal determinada pelo juiz Sebastião Joaquim Lima Bomfim.

Segundo o que já foi apurado e comprovado com fotos e vídeo, existem fortes indícios de compra de voto e, de acordo com a investigação da PF, não será surpresa se Magrado Barros e sua vice, Lucimar Gonçalves sejam rifados a qualquer momento do cargo.

Bandalheira em Viana

A população sofre com a falta de água, não tem merenda nas escolas, medicamentos no hospital do município, ruas esburacadas, fechamento do Restaurante Popular, entre outras arbitrariedades

MANOBRAS 

O blog foi informado que aliados do prefeito Magrado espalharam no município que o “poderoso” gestor estaria derramando “rios de dinheiro” para se livrar das acusações e que até decisões milagrosas na justiça estariam sendo cedidas por conta do poder aquisitivo de Magrado, isso o que aliados do próprio prefeito espalham na cidade. O blog vai informar em uma próxima reportagem o andamento dos processos.

PF e CGU deflagram operação contra desvio de R$ 119 milhões em prefeituras do MA

A Polícia Federal (PF) e o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) deflagraram, desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira 2, a Operação Topique. A ação busca desarticular organização responsável por fraudar licitações e desviar recursos federais destinados ao transporte escolar no Estado do Piauí e em prefeituras municipais do Piauí e do Maranhão, custeados pelo Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate) e pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

De acordo com as investigações, o esquema envolvia a prática de fraudes a licitações realizadas em conluio por empresas e agentes públicos, seguida do desvio de recursos mediante a subcontratação irregular e o posterior superfaturamento dos valores cobrados junto aos entes públicos, numa média de 40% dos valores pagos às empresas contratadas. Entre 2013 e 2017, as empresas investigadas receberam cerca de R$ 297 milhões, pagos por mais de 40 prefeituras e pelo Estado do Piauí, envolvendo a prestação de serviços de transporte escolar e locação de veículos. 

Até o momento, o prejuízo potencial apurado pela CGU, no período, é superior a R$ 119 milhões. O órgão de controle aprofundou as investigações por meio de fiscalizações realizadas nos municípios piauienses de São Raimundo Nonato, Campo Maior, Miguel Alves, Luís Correia, Caracol e Regeneração, bem como por meio de análises de contratações efetuadas pelo Estado do Piauí junto às empresas do grupo investigado, além de fiscalizações realizadas nos municípios maranhenses de Timon e São João do Sóter.

Estão sendo cumpridos 14 mandados de prisão preventiva, nove mandados de prisão temporária e 40 mandados de busca e apreensão nos municípios de Teresina (PI), São João da Serra (PI), Olho D’Água do Piauí (PI) e Coelho Neto (MA). A Operação conta com a participação de 180 policiais federais e nove auditores da CGU. O nome Topique é alusivo ao termo popularmente utilizado para se referir aos veículos usados no transporte escolar.

Atual7

“Quando irão devolver os R$ 18 milhões desviados da saúde pública do Governo Flávio Dino”, questiona deputado

O deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa da Maranhão para cobrar um posicionamento por parte do governador Flávio Dino, que tem se mantido inerte diante dos desvios que já são típicos na saúde pública do Maranhão.

Ao se pronunciar, o deputado Wellington cobrou um posicionamento por parte de Flávio Dino, que segue ignorando os desvios de recursos na saúde pública do Maranhão.

“ A Polícia Federal já comprovou o desvio de R$18 milhões na saúde pública do Maranhão.Alguns estão defendendo Flávio Dino; eu defendo a população, sobretudo, a parte que usa os serviços públicos de saúde. Foram recursos desviados e que poderiam ser aplicados em hospitais, em leitos, em medicamentos. A população quer saber quando irão devolver os R$18 milhões desviados da saúde pública do Governo Flávio Dino. Chega de tanta corrupção. Chega de investimento apenas na propaganda, Governador”, disse Wellington.