poder

Aliado de primeira hora de Michel Temer, deputado Cleber Verde é um dos que mais gasta na câmara federal

Desde o início da legislatura, em 2015, a Câmara e o Senado já gastaram R$ 824,3 milhões com despesas como passagens aéreas, combustível, telefone, aluguel de carro, avião, etc, registra o Congresso em Foco.

Desse total, R$ 258,5 milhões foram gastos apenas com passagens aéreas.

Entre os maiores gastadores da Câmara estão Jhonatan de Jesus, César Halum e Cléber Verde.

Cleber Verde (PRB) é Maranhense e aliado de primeira hora do presidente mais rejeitado da história do Brasil Michel Temer. O Maranhense sempre atua em favor do presidente no quesito salvá-lo das abas da justiça.

Após votarem a favor de Michel Temer deputados maranhenses tiveram quase 11 milhões de emendas liberadas em junho do ano passado

De acordo com dados da ONG Contas Abertas aponta que o governo federal liberou em junho do ano passado (2017) R$ 10,3 milhões (R$ 10.304.160,00) em emendas parlamentares aos três deputados maranhenses (Juscelino Filho – R$ 3,9 milhões, Hildo Rocha – R$ 3,8 milhões, Cleber Verde – R$ 2,4 milhões) que votaram a favor do presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB), que votou contra o presidente, teve liberados no mesmo mês R$ 503 mil em emendas.
Na época a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou relatório contrário à aceitação da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer. Ao todo, 40 deputados votaram a favor de Temer. Esses parlamentares somaram R$ 134 milhões em empenhos para emendas só no mês de junho. Dos 40 votos a favor de Temer, 36 tiveram empenhos para emendas em junho, logo antes da votação.
O povo do Maranhão relembra agora que os deputados citados foram os três maiores defensores de Michel Temer.

Temer anuncia que vai liberar rodovias com uso da força

O presidente Michel Temer anunciou no começo da tarde desta sexta-feira (25) que usará forças de segurança para desbloquear rodovias onde haja protestos de caminhoneiros.

Ele destacou o acordo firmado ontem com representantes da categoria e disse que o governo concordou em atender 12 reivindicações imediatas dos caminhoneiros e que a contrapartida seria a liberação imediata das estradas.

— Esse foi o compromisso conjunto, esse deveria ter sido o resultado do diálogo. Muitos caminhoneiros, aliás, estão fazendo sua parte. Mas, infelizmente, uma minoria radical tem bloqueado estradas e impedido que muitos caminhoneiros levem adiante o seu desejo de atender a população e fazer o seu trabalho.

O presidente também disse que pediu aos governadores ajuda para por fim aos protestos.

— Eu quero anunciar, portanto, que de imediato, vamos implantar o plano de segurança para superar os graves efeitos do desabastecimento causado por essa paralisação. Comunico que acionei as forças federais de segurança para desbloquear as estradas e estou solicitando aos senhores governadores que façam o mesmo.

Acordo

Na noite de ontem, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo) e Eduardo Guardia (Fazenda) anunciaram que haviam chegado a um acordo para suspender por 15 dias os atos nas rodovias.

A principal contrapartida foi o congelamento do preço do diesel, no qual o governo prometeu repassar à Petrobras eventuais variações no valor do produto no próximo mês.

Dois representantes de movimentos de caminhoneiros abandonaram o encontro por discordar das propostas do governo e pediram à categoria que continuasse mobilizada.

Governo descumpre acordo e municípios do Maranhão perdem R$ 83 milhões este ano

Medida adotada pelo presidente Michel Temer faz com que prefeituras do estado continuem mergulhadas em uma crise financeira sem precedentes.

Presidente da FAMEM lamentou o descumprimento do acordo feito pelo governo federal.

A gestão do presidente Michel Temer (PMDB) descumpriu, mais uma vez, acordo feito com os municípios brasileiros.

De acordo com informações repassadas pela Secretaria do Tesouro Nacional nesta quinta-feira (28), somente em 2018 o governo federal depositará nas contas das prefeituras R$ 2 bilhões em recursos oriundos do Auxílio Financeiro aos Municípios (AFM).

O pagamento estava agendado para este mês, conforme garantiu o próprio Michel Temer durante encontro com gestores públicos municipais de todo o país no mês passado, em Brasília.

As 217 cidades do Maranhão seriam beneficiadas com R$ 83 milhões, segundo levantamento divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) à época.

A divisão dos recursos do AFM obedeceria aos mesmos critérios utilizados pela União para repartir o dinheiro proveniente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Os recursos extras estavam sendo aguardados por prefeitos e prefeitas de várias regiões do estado e seriam utilizados para pagamento do funcionalismo público, por exemplo.

“Trata-se, mais uma vez, de uma ação do presidente da República contra a municipalidade maranhense e brasileira. Estes recursos extras, garantidos pelo senhor Michel Temer durante encontro com prefeitos e do qual eu participei, chegariam em uma boa hora e estavam sendo aguardados pelos gestores como uma espécie de salvação da pátria. Agora, com a informação de que o repasse não será feito este ano, as prefeituras do Maranhão voltam à situação de colapso financeiro”, afirmou o presidente da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (FAMEM), Cleomar Tema.

Em julho, Michel Temer também não honrou compromisso firmado com a municipalidade brasileira.

Na oportunidade, ele não autorizou o depósito nas contas das prefeituras de R$ 168 milhões referentes à antecipação da compensação do FUNDEB.

  • Blogs

  • Links Últeis

  • Contato

  • Facebook

  • Twitter