Prefeito de Matões contrata empresa alvo do MP por mais de R$ 3 milhões de reais

Prefeito, Ferdinando Araujo Coutinho

R$ 3.071.403,10 milhões. Esse é o valor que será usado para pagar manutenções prediais em Matões.

O contrato foi firmado com a empresa Sabiá Construção e Empreendimentos Eireli, localizada em Caxias e de propriedade de Francisco Armando Teles.

Segundo informações divulgadas no Diário Oficial, o acordo contratual foi assinado pelo secretário municipal de Governo, Raimundo Nonato Medeiros Carvalho.

A empreiteira atuará em Matões por 12 meses.

A empresa Sabiá construções é velha conhecida do Ministério Público, saiba mais; 

A empresa já foi denunciada pelo Ministério Público quando subempreitou ilegalmente uma outra empresa para realizar um serviço que ela teria sido a vencedora. Além do responsável técnico não ter acompanhado a obra, o Ministério Público ainda citou que o empresário Francisco Armando Teles assinou contrato com outra empresa para término da obra quase um mês após o saque de toda quantia repassada pelo estado do Maranhão pelo convênio da obra. 

O MPMA ainda cita que a empresa transferiu dinheiro irregularmente a uma conta do município de São João do Sóter. O MP acusou a empresa e o município na época de terem fraudado a licitação, descumprido ordem judicial e movimentação irregular de dinheiro público. 

O blog trará mais detalhes do avanço do MP sobre a empresa contratada pelo prefeito de Matões em breve.

Contratos com prefeitura de Matões:

MPMA aciona prefeito de Matões por Iluminação pública precária

Prefeito Padre Domingues

A falta de lâmpadas e de postes de iluminação pública na cidade de Matões motivou o Ministério Público do Maranhão a ajuizar, no dia 12, Ação Civil Pública (ACP) com pedido de liminar contra o Poder Executivo. O objetivo é regularizar o serviço na zona urbana e rural.

A Promotoria de Justiça solicitou ao Poder Judiciário que obrigue, em medida liminar, a Prefeitura de Matões a repor em toda a área urbana e rural as lâmpadas onde não houverem e substituir as de potência menor por modelos de 350 watts ou com carga equivalente em led.

Além disso, foi pedido um estudo técnico sobre a eficiência de substituir as atuais lâmpadas de 200 watts por outras de 30 watts de led, considerando a substituição no prazo máximo de 30 dias.

De acordo com a promotora de justiça Patrícia Fernandes Gomes Costa Ferreira, a Prefeitura vem cobrando de seus usuários, juntamente com as faturas mensais de consumo de energia elétrica, a Contribuição de Iluminação Pública Municipal. Os valores são repassados pela Cemar à administração municipal sob a premissa de custeio das despesas decorrentes da iluminação pública da cidade.

“Mesmo com a cobrança da contribuição, através da qual o consumidor não encontra outra alternativa senão pagá-la, sob pena de suspensão no fornecimento de energia elétrica, os níveis de iluminação são bastante reduzidos e inferiores ao que seria desejável para se conseguir os padrões de qualidade e segurança a que a população tem direito e que todos desejamos”, afirmou, na ACP, a titular da Promotoria de Justiça de Matões.

Por exemplo, no Povoado Assobiante, 33 postes não têm iluminação e em outros pontos da zona rural e urbana não há qualquer lâmpada, expondo os moradores à violência. O MPMA vem tentado, sem sucesso, desde março deste ano, resolver o problema de forma administrativa.

INSEGURANÇA
No pedido de liminar, a representante do Ministério Público destaca que a circulação nas ruas e avenidas de Matões está cada dia mais inviabilizada em razão da insegurança gerada pela má iluminação. “A população tem exigido imediatas providências para que essas ruas e avenidas possam ser utilizadas sem riscos de lesão à integridade pessoal, patrimonial dos cidadãos, saúde e segurança, fato reconhecido pela requerida [administração municipal] quando afirma a necessidade de troca e recomposição de lâmpadas em toda a sua área territorial”, destacou a promotora de justiça.

Em ofício encaminhado ao MPMA, o Município de Matões afirmou a necessidade de toca de lâmpadas de 200 watts por lâmpadas de 30 watts de led, bem como recomposição em alguns postes. Afirmou, ainda, que estaria, juntamente com a Cemar, realizando estudo técnico em toda sua área territorial no sentido de modificação da rede de iluminação pública.