ÓLEO DE PEROBA NELES! Ex prefeito de Governador Newton Bello declara apoio a pré candidato “atolado até o pescoço” em processos na justiça…

O ex prefeito de Governador Newtom Bello  Barrosinho de Rosilândia declarou nos últimos dias apoio ao pré candidato a deputado federal Gil Cutrim,mesmo sabendo que o ex prefeito de São José  De Ribamar está  “atolado” até  o pescoço de processos e investigações que inclusive lê atrela a uma empresa investigada na operação lava jato.

Acompanhe…

A suspeita do enriquecimento ilícito do ex-prefeito de São José de Ribamar-MA, Gil Cutrim, e da esposa dele, a dentista Juliana Fernandes Silva Cutrim, motivaram o Ministério Público do Maranhão a ajuizar na última terça-feira, 6, Ação Civil por ato de improbidade administrativa contra os denunciados.

Foi pedida liminarmente a indisponibilidade dos bens do casal e a quebra do sigilo bancário dela. O sigilo bancário e fiscal do ex-gestor já foi quebrado.

De acordo com a promotora de justiça Elisabeth Albuquerque de Sousa Mendonça, no período de 2010 a 2015, Gil Cutrim adquiriu bens com valores desproporcionais à sua renda, além de violar os princípios que regem a administração pública.

A informação foi constatada, em inquérito civil instaurado em 2015, pelo Ministério Público após obter dados do Sistema de Investigação de Movimentações Bancárias (Simba), por intermédio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco). Os dados comprovam uma variação patrimonial incompatível entre os vencimentos recebidos como prefeito (R$ 17.194,00) e os bens declarados.

O enriquecimento ilícito de Gil Cutrim, no período de 2010 a 2015, corresponde a despesas com aquisição, construção e melhoramento de imóveis próprios, investimentos como títulos de capitalização.

“O ex-prefeito teve, em cinco anos, o incremento patrimonial que um cidadão nordestino, com rendimento mensal semelhante ao seu, levaria 20 anos para realizar”,afirmou, na ACP, a promotora de justiça.

Segundo os dossiês integrados, cujo conteúdo tem 1.672 páginas, sobre a evolução patrimonial dos denunciados, há clara discrepância entre o patrimônio ostentado pelo ex-gestor e a renda auferida por seu cargo eletivo.

Em depoimento, Teté Vieira diz que empresa envolvida na Lava Jato comprou apartamento para Gil Cutrim

O ex-vereador de São José de Ribamar, Elias Rebelo Vieira Júnior, mais conhecido como Teté Vieira, fez uma grave denúncia contra o ex-prefeito e pré-candidato a deputado federal Gil Cutrim.

Em depoimento prestado na Promotoria de Justiça de São José de Ribamar, Teté afirmou que a Odebrecht teria comprado o apartamento no Edifício Murano, em São Luís, para Gil Cutrim.

Teté Vieira disse ainda, que a empresa também comprou uma BMW avaliado em R$ 400 mil para o ex-prefeito.

A Odebrecht é conhecida por estar envolvida no maior escândalo de corrupção do país: na Lava Jato. Ela é responsável pelo abastecimento d’água e saneamento em São José de Ribamar.

ÓLEO DE PEROBA NELES!

O blog irá  trazer nos próximos dias mais detalhes………

ESCÂNDALO! Gil Cutrim e a esposa são denunciados por enriquecimento ilícito

A suspeita do enriquecimento ilícito do ex-prefeito de São José de Ribamar-MA, Gil Cutrim, e da esposa dele, a dentista Juliana Fernandes Silva Cutrim, motivaram o Ministério Público do Maranhão a ajuizar na última terça-feira, 6, Ação Civil por ato de improbidade administrativa contra os denunciados.

Foi pedida liminarmente a indisponibilidade dos bens do casal e a quebra do sigilo bancário dela. O sigilo bancário e fiscal do ex-gestor já foi quebrado.

De acordo com a promotora de justiça Elisabeth Albuquerque de Sousa Mendonça, no período de 2010 a 2015, Gil Cutrim adquiriu bens com valores desproporcionais à sua renda, além de violar os princípios que regem a administração pública.

A informação foi constatada, em inquérito civil instaurado em 2015, pelo Ministério Público após obter dados do Sistema de Investigação de Movimentações Bancárias (Simba), por intermédio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco). Os dados comprovam uma variação patrimonial incompatível entre os vencimentos recebidos como prefeito (R$ 17.194,00) e os bens declarados.

O enriquecimento ilícito de Gil Cutrim, no período de 2010 a 2015, corresponde a despesas com aquisição, construção e melhoramento de imóveis próprios, investimentos como títulos de capitalização.

“O ex-prefeito teve, em cinco anos, o incremento patrimonial que um cidadão nordestino, com rendimento mensal semelhante ao seu, levaria 20 anos para realizar”,afirmou, na ACP, a promotora de justiça.

Segundo os dossiês integrados, cujo conteúdo tem 1.672 páginas, sobre a evolução patrimonial dos denunciados, há clara discrepância entre o patrimônio ostentado pelo ex-gestor e a renda auferida por seu cargo eletivo.