Ex-prefeito de Cururupu Junior Franco teve contas rejeitadas pela câmara de vereadores

Os Vereadores  acompanharam parecer do Tribunal de Contas pela rejeição das contas de 2011 do ex-prefeito Junior Franco, a prestação de contas anual do Ex-Prefeito de Cururupu, José Carlos de Almeida Júnior (Júnior Franco), após receber parecer de desaprovação pelo TCE, também foi rejeitada pela Câmara de Vereadores de Cururupu.

Na manhã da última quinta-feira, dia 15, os vereadores julgaram o parecer enviado pelo TCE-MA Processo nº 3835/2012, que desaprovou as contas anuais, relativas ao exercício financeiro de 2011, no período de (01/11/2011 a 31/12/2011), de responsabilidade do Ex-Prefeito, José Carlos de Almeida Junior.

O parecer emitido pelo Tribunal de Contas do Estado, que decidiu por unanimidade, em seção plenária ordinária com a participação de dez Conselheiros do TCE/MA, em dezembro de 2016, pela rejeição das contas do ex- gestor Junior Franco, em razão de restarem infrações às normas legais e regulamentares de natureza contábil, financeira, orçamentaria, operacional e patrimonial, recebeu também desaprovação do legislativo municipal.

O Parecer Prévio PL – TCE Nº 121/2016, chegou no final do ano passado a CASA LEGISLATIVA “CESAR RONALDO SANTOS MACHADO” Após analises das comissões do legislativo municipal e a apresentação da defesa do ex-gestor, o parecer das comissões de constituição justiça, legislação, administração, assuntos municipais e redação final e a de orçamento, finanças, obras públicas e patrimônio municipal, julgou pela desaprovação. O parecer foi lido na manhã de ontem quinta (15), em seção no Plenário “ITALINO PIRES RODRIGUES”.

Analisar as contas de um prefeito, logo após o envio do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA), é de um mês.

Com a decisão de parecer pela desaprovação emitida pelo legislativo, o futuro político do ex- gestor quanto a possíveis intensões politicas nas eleições deste ano, ficam comprometidas.

De acordo com o pronunciamento do vereador Antônio Filho, há um pedido de reconsideração junto ao Tribunal impetrado pelo ex- gestor.

Deixe uma resposta