“Nunca antes na história do Tribunal de Justiça do Maranhão uma decisão foi tão criticada como o Habeas corpus concedido ao agressor Lúcio André Genésio.”

Nunca antes na historia do Tribunal de Justiça do Maranhão uma decisão a favor de um agressor repercutiu tanto e de forma negativa a corte, como agora depois que os desembargadores Raimundo Melo e Bayma votaram pela concessão de um Habeas corpus a  Lúcio André Genésio preso em flagrante por espancar a sua ex esposa a advogada Ludmila Rosa Ribeiro, no estado não  é difícil ver alguém dizer que a ‘justiça” foi incompetente quando deixou o agressor “livre leve e solto” pois como um especialista em grandes fugas lúcio Genésio se manteve longe das “garras” da justiça por quase 100 dias até conseguir o recurso no Tribunal,vários segmentos da sociedade do estado e até fora dele divergem com a decisão dos magistrados, não  é difícil dizer que o Tribunal de Justiça do Maranhão está sendo “”bombardeado” por ‘libertar” um agressor que nunca esteve preso.

Mulheres realizam protesto nesta quinta-feira

A União Brasileira de Mulheres do Maranhão, convoca toda a população a clamar por uma aplicação da Lei Maria da Penha e da Lei Penal que respeite as mulheres. “Somos contrárias a decisão equivocada de conceder liberdade para um criminoso foragido em caso de violência doméstica. No caso este agressor e a postura do judiciário maranhense, coloca  todas  as mulheres em risco. Não queremos ser cúmplices de um feminicídio anunciado. Exigimos justiça.”

A advogada Ludmila Rosa Ribeiro não pode pagar com a vida pela misoginia de um judiciário cego ao fato de muitas mulheres morrem em consequência da aplicação anacrônica da lei.

A responsabilidade é do Estado, a responsabilidade é de toda sociedade. Necessitamos mudar a trágica cultura de violência contra as mulheres, e sem um judiciário que nos respeite na aplicação da Lei, isso se torna impossível.

Ludmila com a palavra..

“Em tempos em que as palavras de ordem são sororidade, empoderamento feminino e justiça, o Tribunal de Justiça do Maranhão, através dos ilustres desembargadores Raimundo Melo e Bayma nadam na contra mão.

Agora mais calma do susto que levei pela manhã, venho fazer uma análise rápida e realista da situação. 

Hoje pela manhã, os ilustres desembargadores, ao julgares os dois Habeas corpus de Lúcio André Genesio, concederam ao investigado o benefício de responder em liberdade, sem garantir a segurança da esquecida vítima que agora vos escreve. Pois bem, não estava presente na sessão pois foi marcada em cima da hora, com uma pressa estranha de julgar logo depois do feriado da Páscoa, com uma pressa de quem quer libertar o coitadinho e não com a pressa de assegurar a mim, vítima e a todas as vítimas que acompanham meu caso, a segurança da mulher. 

 

Calma não acabou! Hoje pela manhã, fui surpreendida, isso mesmo, não esperava essa resposta da justiça maranhense, com a concessão dos Habeas corpus para meu agressor poder continuar a vida como se nada tivesse feito. A instituição entende que mesmo o meliante não atendendo a nenhuma ordem judicial, mesmo permanecendo foragido por mais de 100 dias, mesmo se escondendo da polícia e da inteligência da segurança maranhense, ele merece sim responder em liberdade. Coitadinho né? 

Com dois ou três advogados que militam na prefeitura de Pinheiro presentes na sessão, o que para bom entendedor meio palavra basta, que saíram comemorando o êxito, parabéns aos colegas! Mais um criminoso solto.

Mas o que mais fiquei sem acreditar é que essa decisão vai bem além da minha segurança pessoal, vai bem além de conceder liberdade a um riquinho mimado e bem assessora pelo jeito, o que mais causa revolta é o nosso Tribunal de Justiça rasgar escancaradamente a lei Maria da Penha, é deixar claro para mim como vítima, como advogada, e para toda a sociedade que não estamos preparados para lidar com a violência de gênero, com um direito tão difundido em todos os cantos, tão sonhado por tantas mulheres guerreiras, por tantas mulheres que precisam morrer para serem lembradas.

Essa decisão empodera o agressor, porque não dizer os agressores que agora tem precedente para seus crimes. Essa decisão empodera quem tenta justificar a violência, essa decisão empodera e permite o cometimento de nossos crimes.

O recado minha amigas, mulheres, trans, e a todos que se reconhecem com o gênero feminino, é que nosso Tribunal não luta por nossa causa.

Em tempos de empoderamento feminino o tribunal de justiça do Maranhão luta pelo empoderamento dos agressores. Esse é o resumo de hoje. Por qual empoderamento você quer lutar?

Comissão que protesta contra decisão favor a lúcio Genésio vai ao Tribunal de Justiça.

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, José Joaquim Figueiredo, recebeu na manhã desta quinta-feira (5) uma comissão composta por várias entidades em defesa das mulheres que reclamam da decisão da 1ª Câmara Criminal, que concedeu habeas corpus ao empresário Lúcio André Genésio, irmão do prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio. Lúcio é acusado de agredir a ex-companheira, a advogada Ludimila Ribeiro.

“Nós temos realmente que abrir a nossa mente de que ela [Ludmila] está em perigo. Ele está em liberdade e ela ganhou a cadeia. Ele já tinha a liberdade de fato, e agora ganhou a de direito“, disse a vice-presidente da Comissão da Mulher e da Advogada da OABMA, Vivian Bauer. “Até o momento ela só pode aguardar, infelizmente. Não há nada a não ser se proteger, não se calar, porque é importante mostrar que ela tem voz”, emendou.

Participam do protesto membros da sociedade civil e profissionais do direito em apoio a
Ludmila e pedem pela revogação da decisão da Justiça. “Essas atitudes enfraquecem as mulheres de denunciar. Ela vai denunciar e dizer ‘quem vai me resguardar, se a justiça está favorecendo o agressor?’. Essas coisas dão brecha pra mulher que está lá na comunidade não denunciar”, aponta Sandra Silva, integrante do Fórum Maranhense de Mulheres.

As mulheres do Maranhão não irão se calar!

Deixe uma resposta